Polícia Civil investiga suposta tortura e descobre falsa comunicação de crime em MT

Polícia Civil-MT

Polícia Civil-MT

Foto: Polícia Civil-MT

Polícia Civil investiga suposta tortura e descobre falsa comunicação de crime em MT

Uma investigação da Delegacia da Polícia Civil de Confresa, concluída nesta terça-feira (06.06) sobre um suposto crime de tortura ocorrido na semana passada, apurou que a pessoa que se passou por vítima na realidade se automutilou em uma tentativa de causar comoção e reatar um relacionamento.

A Polícia Civil recebeu um registro da vítima que relatou que no dia 29 de maio, por volta das 19h30, teria sido capturada por quatro pessoas encapuzadas, que a colocaram em um veículo Golf e a levaram para uma região de mata. No local, os agressores teriam cortado as orelhas do homem durante uma sessão de tortura e em seguida o liberaram no centro da cidade de Confresa.

A partir da investigação instaurada, a Polícia Civil apurou que a suposta vítima estava passando a por problemas conjugais e se automutilou, cortando as próprias orelhas, para causar sentimento de pena e tentar reatar o relacionamento com a ex-companheira.

Os policiais civis apuraram que no mesmo dia em que supostamente o homem foi torturado, ele pesquisas em sítios da internet usando os seguintes termos: “como cortar orelha de cachorro”“como cortar orelha de um homem” e “quais os perigos”. No mesmo dia, à noite, ele se automutilou e dois dias depois procurou a polícia relatando ter sido vítima de tortura.

A Delegacia da Polícia Civil empregou vários policiais na investigação, devido à gravidade da denúncia. Inicialmente, uma pessoa suspeita apontada pelo comunicante chegou a ser investigada.

Após descobrir que tudo se tratava de uma farsa, a Polícia Civil concluiu as investigações e o comunicante da falsa tortura responderá pelo crime de denunciação caluniosa, cuja pena pode chegar até oito anos de reclusão.

“A Polícia Civil alerta que falsa comunicação perante os órgãos policiais é crime e atrapalha o andamento de casos importantes de crimes graves como homicídios, estupros, tráfico, entre outros”, alertou o delegado Victor Donizete de Oliveira.

+ Acessados

Veja Também