PF prende cinco envolvidos em atos extremistas; operação é realizada em cinco estados e no DF

Picture of R7

R7

PF/Divulgação

PF prende cinco envolvidos em atos extremistas; operação é realizada em cinco estados e no DF

Compartilhe:

Cinco suspeitos de envolvimento nos atos extremistas de 8 de janeiro foram presos até as 11h sexta-feira (27) pela Polícia Federal na nova fase da Operação Lesa Pátria, desencadeada contra extremistas que participaram dos atos de dpredação das sedes dos três poderes em Brasília, no dia 8 de janeiro. Os agentes cumprem 11 mandados de prisão preventiva e 27 de busca e apreensão em cinco estados e no Distrito Federal.

De acordo com os investigadores, duas prisões ocorreram em Minas Gerais. Já em Santa Catarina, Paraná e Espírito Santo houve uma prisão em cada estado. Outras seis pessoas não tinham sido localizadas até a publicação desta reportagem. 

Os mandados foram emitidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e são cumpridos, também, no Rio de Janeiro e no Distrito Federal. Os investigadores ainda procuram outras três pessoas no Espírito Santo, duas no DF e uma no Rio de Janeiro.

Esta é a terceira fase da Operação Lesa Pátria, que tem como foco a identificação e indiciamento de pessoas envolvidas no ataque aos prédios dos três poderes. Tanto extremistas que participaram quanto os que financiaram e incitaram os atos são alvo da ação da PF. 

“Os fatos investigados constituem, em tese, os crimes de abolição violenta do estado democrático de direito, golpe de Estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime, destruição e deterioração ou inutilização de bem especialmente protegido”, explica a PF. 

A operação não tem data para terminar, já que a proposta dos investigadores é abrir novas fases, de forma permanente, “com atualizações periódicas acerca do número de mandados judiciais expedidos, pessoas capturadas e foragidas”. Na semana passada, a primeira fase da operação prendeu cinco pessoas. 

Danos milionários

Os danos causados ao Congresso Nacional, Palácio do Planalto e STF chegam a R$ 18,5 milhões, segundo estimativas apresentadas pela Advocacia-Geral da União (AGU) em pedido para bloquear a quantia de quem financiou os atos de vandalismo. A solicitação foi feita nesta quinta-feira (19) à Justiça Federal no Distrito Federal.

Confira os prejuízos calculados:

• Palácio do Planalto: R$ 7.978.773,07
• Câmara dos Deputados: R$ 1.102.058,18
• Senado: R$ 3.500.000,00
• Supremo Tribunal Federal: R$ 5.923.000,00
– TOTAL: R$ 18.503.831,25

Alguns danos, como os causados a obras de arte e a presentes de chefes de Estado, são inestimáveis.

Deixe um comentário

+ Acessados

Veja Também

Quer ser o primeiro saber? Se increve no canal do PH no WhatsApp