Percentuais referentes à saúde e à educação não serão modificados, anunciaTemer

seduc proporciona pedagogia diferenciada a estudantes estrangeiros

O presidente interinoMichel Temerafirmou, nesta quarta-feira (1°), que, na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que o governo enviará ao Congresso Nacional para limitar os gastos públicos, os percentuais destinados à educação e à saúde serão mantidos.

O anúncio foi feito durante cerimônia de posse dos novos presidentes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal, da Petrobras e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), no Palácio do Planalto.

“Quero registrar, para não haver exploração no sentido contrário, e sem embargo da redução, da limitação das despesas, os percentuais referentes à saúde e à educação não serão modificados. Porque muitas e muitas vezes ouço, vejo, leio afirmações de que esse governo vai destruir tudo que diz respeito àquilo que mais toca aos setores socais. Eu faço questão de enfatizar e até peço que, ao ouvirem o que eu estou dizendo, grifem essa parte”.



Com apenas 19 dias, Michel Temer ressaltou que o novo governo já pôde apresentar ao País uma agenda positiva de reconstrução nacional. E faz parte disso a redução da estrutura da administração pública para torná-la mais ágil e eficiente e a aprovação no Congresso da nova meta fiscal.

“Nós sabemos que todas essas medidas não resolverão da noite para o dia os nossos imensos problemas, mas é preciso imediatamente recuperar a confiança do povo brasileiro no seu futuro. É urgente, urgentíssimo, reencontrar o caminho do crescimento econômico e da geração de empregos de qualidade”.

E para isso, salientou, é fundamental “juntar os contrários em um extraordinário esforço de colocar os interesses do Brasil acima dos interesses dos grupos”.

Nesse contexto, Temer agradeceu o empenho do Congresso Nacional na aprovação da meta fiscal.“Hoje temos uma base parlamentar consciente, consequente, que é capaz de ficar até às 5 horas da manhã para aprovar as medidas urgentes do Estado brasileiro”.

O presidente aproveitou a cerimônia para anunciar o economista Paulo Rabello de Castro como novo presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).