Pecuária sustentável apoiada pelo REM MT beneficia 1.650 famílias na região amazônica de Mato Grosso

Pecuária sustentável apoiada pelo REM MT beneficia 1.650 famílias na região amazônica de Mato Grosso

Mais de 1.650 produtores da agricultura familiar que vivem em municípios da região Noroeste de Mato Grosso estão mudando seus hábitos e buscando produzir de forma mais sustentável. Essa mudança, entretanto, não vem da noite para o dia e nem sem apoio. Atualmente, um grupo de 25 extensionistas da Empaer (Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural), apoiados pelo Programa REM MT, prestam diferentes serviços de assistência técnica e extensão rural (Ater) para potencializar a produção dessas propriedades.

Esse trabalho de fortalecimento da pecuária sustentável é desenvolvido especialmente em imóveis localizados no bioma amazônico, em cidades como Juína, Juara, Juruena, Aripuanã e Nova Bandeirantes. Esses locais são conhecidos por serem fortemente marcados pela pecuária extensiva e outras atividades predatórias, como o garimpo ilegal.

Visão Global

De acordo com Felipe Carneiro, coordenador do projeto de Ater e extensionista da Empaer, a assistência procura enxergar a propriedade como um todo, fazendo um diagnóstico completo que envolve tanto a sustentabilidade do ambiente, quanto das famílias.

“O foco não é voltado apenas para a questão da produção. Quando um técnico da Empaer atua em uma propriedade, ele procura entender a realidade social daquela família: a questão da renda e como está o saneamento básico no local, por exemplo. Depois que ele faz esse mapeamento, ele tem condições de propor os melhoramentos na produção, com o foco na sustentabilidade”, ressalta Felipe.

Pecuária Sustentável

O coordenador destaca ainda que o manejo correto do solo e da pastagem envolvem melhoramentos que estão amparados no tripé da pecuária moderna (a economia, o social e o meio ambiente).

“Buscamos orientar os produtores a utilizar recursos tecnológicos modernos, que permitam o aumento da produção, sem a necessidade de degradar novas áreas, fazendo assim com que a pecuária seja sustentável. Isso traz excelentes resultados na parte ambiental, com a recuperação de nascentes, encostas, matas ciliares ou Áreas de Preservação Permanente [APPs] que estão dentro das propriedades. Já a parte social do tripé diz respeito a questões, como a inclusão de idosos e mulheres nos processos produtivos desses imóveis.

Extensionista da Empaer-MT prestando assistência técnica em propriedade rural – Foto: João de Melo/Empaer-MT

No manejo do solo, por exemplo, a gente estuda as propriedades do local. Procuramos saber como anda a saúde do solo, o que é preciso para que o plantio seja eficiente. Verificamos a quantidade dos sais minerais na terra ou a necessidade de correção do ph [potencial hidrogeniônico] do solo por meio do uso do calcário, e assim por diante”, explica.

Trabalho em rede

Para realizar todo este trabalho, a Empaer conta com o apoio do Programa REM MT, que ajuda principalmente na estruturação dos trabalhos dos técnicos que lidam diretamente com os agricultores familiares, conforme explica a coordenadora do Subprograma Produção, Inovação e Mercado Sustentáveis (PIMS) do REM MT, Daniela Melo.

“Essa estruturação se dá de diferentes maneiras, como: com pagamento de diárias aos extensionistas, com o aluguel de veículos para as visitas às propriedades, além de uma série de cursos de capacitação voltados para recuperação de áreas degradadas, por exemplo”, elenca Daniela.

Sobre o REM

O Programa REM MT [Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação florestal, do inglês, REDD para Pioneiros] é uma premiação dos governos da Alemanha e do Reino Unido, por meio do Banco Alemão de Desenvolvimento (KfW), ao Estado de Mato Grosso pelos resultados na redução do desmatamento nos últimos anos (2004-2014).

A iniciativa beneficia aqueles que contribuem com ações de conservação da floresta, como os agricultores familiares, as comunidades tradicionais e os povos indígenas, bem como fomentar iniciativas que estimulam a agricultura de baixo carbono e a redução do desmatamento, a fim de reduzir as emissões de CO2 no planeta.

O Programa REM MT é coordenado pelo Governo do Estado de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), e tem como gestor financeiro o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO).

Noticias Relacionadas