Nortox chega aos 65 anos com novas soluções para a agricultura

Nortox chega aos 65 anos com novas soluções para a agricultura

Maior empresa nacional de agroquímicos, atuando também fortemente no segmento de nutrição vegetal, e com o recente lançamento da linha de sementes, a Nortox completa 65 anos neste dia 14.  Referência nacional há seis décadas e meia para o agricultor brasileiro, a empresa vem aliando tradição e inovação, com uma estratégia de crescimento no mercado, seja através do lançamento de novos produtos, seja através da expansão dos negócios.

“Em 2018, a Nortox disponibilizou quatro novos defensivos agrícolas ao mercado nacional. Já neste primeiro trimestre de 2019 foram mais quatro lançamentos, com formulações e registros diferenciados, mesmo atuando no segmento de genéricos, e ainda teremos muitas novidades para 2019, em nossas 3 plataformas de atuação, que são os defensivos agrícolas, a nutrição vegetal e sementes”, afirma o gerente de Marketing, Guilherme Acquarole.

A estratégia de expansão para o mercado Latino Americano levou a empresa a iniciar em 2018 as operações no Paraguai. Para 2019, a meta é iniciar as atividades também no Chile. O Diretor Comercial, João Marcos Ferrari, ressalta que a expansão deverá ocorrer de forma planejada, organizada e sempre levando em conta que os ganhos podem resultar também da troca de tecnologias com outros países. “Depois de mais de seis décadas voltada exclusivamente para o mercado brasileiro, chegou a hora de a Nortox levar aos agricultores de outros países da América Latina a grande tradição e o know-how em formulações de qualidade”, destaca Ferrari.

HISTÓRIA

Na década de 50, o Brasil tinha no café a sua grande fonte de divisas. Com a broca-do-café atacando os cafezais e prejudicando as exportações, Osmar Amaral viu no BHC um grande potencial como método de controle da praga. No dia 14 de abril de 1954, em Apucarana/PR, fundou a Nortox com um só produto em catálogo para o controle da broca-do-café. Era o BHC chegando para salvar o café brasileiro.

Nos aos 60, com o declínio do café, foi a vez do algodão entrar em cena. A Nortox entra no mercado de inseticidas para algodão e, para ampliar e diversificar a produção, transfere-se para Arapongas, em 1968, no distrito de Aricanduva.

Chegou a década 70, dando vez aos herbicidas. A Nortox sintetiza a Trifluralina, importante produto para o algodão e depois para a soja. Nos anos 80, o herbicida Glifosato permite o plantio direto, porém é importado e caro. Mais uma vez pioneira, a Nortox inicia a produção de Glifosato no Brasil em 1983 e torna possível a adoção do plantio direto em larga escala.

Nos anos 90, como resultado da globalização, ocorrem inúmeras fusões de empresas e muitas linhas de produção de agroquímicos são fechadas no Brasil. A Nortox, ao contrário, amplia sua oferta de produtos e sintetiza novas moléculas, beneficiando-se do crescimento do agronegócio brasileiro, que quadruplicou em dez anos.

A soja avança no Cerrado, mas o custo do transporte de insumos encarece a produção. Em 2004 a Nortox inicia as atividades de sua segunda unidade industrial, instalada em Rondonópolis (MT). No ano de 2010, a empresa consolida seu portfolio de milho, soja e trigo e entra em novos mercados, como pastagens e cana-de-açúcar. Em 2012, entra no segmento de nutrição vegetal. E em 2017 no mercado de sementes.

Na área socioambiental, a empresa desenvolve ações reconhecidas e premiadas, como o Projeto Olho D’Água, que já recuperou mais de 800 minas e nascentes no Paraná e em Goiás. Outros exemplos são o Projeto Crescer, que já atendeu mais de três mil crianças e adolescentes em Arapongas com ensino gratuito e de alta qualidade e a Orquestra de Jovens de Nova Mutum (MT), que permite a centenas de jovens realizar o sonho de aprender música clássica.

“A Nortox chega aos dias atuais com investimentos de peso em sua planta industrial, dona de um portfólio e de uma marca que são referências consolidadas em matéria de soluções para a agricultura brasileira. Maior empresa nacional no setor de defensivos agrícolas, consolidando-se no mercado de nutrição vegetal e iniciando um projeto promissor no segmento de sementes, a Nortox investe em tecnologia de formulação e estrutura fabril, mas sobretudo nas pessoas, que são o maior patrimônio de uma organização”, finaliza Guilherme Acquarole.