Nobres é reconhecida como a ‘Capital do Ecoturismo Sustentável’

Lei 11.079/20 é do deputado Eduardo Botelho e poderá atrair mais investimentos para o município

abertura oficial da 13ª semana do meio ambiente será nesta segunda-feira



Com forte potencial turístico devido às suas belezas naturais, Nobres passou a ser reconhecida como a Capital Mato-grossense do Ecoturismo Sustentável, através da Lei 11.079/20, sancionada neste mês pelo governo do estado. De autoria do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), a iniciativa visa fomentar o turismo na região e, consequentemente, a economia desse município que fica a 121 quilômetros distante de Cuiabá.

Com a nova lei, a cidade poderá receber novos investimentos, firmar parcerias e ganhar maior visibilidade atraindo mais turistas. Botelho destaca a riqueza natural da cidade, formada por inúmeras cachoeiras, grutas, sítios arqueológicos de grande valor científico com pinturas e inscrições rupestres, além de um dos pontos que mais chama a atenção dos visitantes, a Lagoa Azul, localizada a 52 quilômetros da sede municipal, um grande atrativo à prática do turismo sustentável.

Nobres também vivencia um crescente desenvolvimento no agronegócio, inclusive, na piscicultura com a pujante produção de alevinos e peixes abastecendo o consumo interno e externo. O mesmo ocorre na agricultura familiar, com a produção de banana, abacaxi, manga, coco, maracujá, laranja e melancia. A economia local ganha força também com a larga produção de minerais como cal, gesso e brita. E a expansão de atividades de importantes setores como o de metalúrgica, madeireiro e químico.

Nobres é referência em Mato Grosso no que tange ao desenvolvimento da atividade ecoturística, por apresentar uma variedade de atrativos de belezas naturais de forma ordenada, com planejamento estratégico, lei municipal, Conselho de Turismo e Plano Municipal de Desenvolvimento Turístico. A cidade conta, ainda, com o projeto piloto à implantação do Voucher Tur, sistema eletrônico que auxiliará no controle fiscal e ambiental inerentes ao turismo.

“Diante à importância de Nobres criamos esta lei para engrandecer o turismo e fomentar a economia, atraindo novos investimentos, gerando emprego e renda”, afirma Botelho.