Musa do Brasil, Iara Ferreira posa sensual e dá dicas para candidatas

Musa do Brasil posa sensual e dá dicas para candidatas
Davi Borges / M2 Mídia

Segurança, simpatia e muita calma. Essas são algumas características que as candidatas do concurso Musa do Brasil 2018 devem ter para conquistar a faixa ouro. Pelo menos na opinião da modelo Iara Ferreira, campeã em 2016.

Nos bastidores de um novo ensaio sensual na praia, a beldade listou algumas dicas para as 27 modelos que vão concorrer ao título de mulher mais bonita do país.

“É fundamental mostrar segurança e simpatia na passarela para conquistar o público e os próprios jurados. A modelo precisa esquecer tudo no momento da apresentação e deixar todas as incertezas de lado”.

“Até porque a resposta da plateia influencia o júri. O desafio é sorrir bastante e envolver as pessoas que estão assistindo. Conquistar essa empatia é certeza de sucesso”, garante.

Iara diz que os trajes escolhidos também são decisivos. E não são só os looks que ditam as notas, mas a forma como as modelos se portam neles. “Vulgaridade é over. É legal achar o equilíbrio nos decotes, fendas e afins.

Mostrar demais não é certeza de nota alta”, alerta. “Na entrada de vestido é importante mostrar elegância. Já de biquíni, a sensualidade fala mais alto. Vale apostar num carão e em poses que vão valorizar as curvas e o bumbum. Mas nada exagerado”.

A terceira e última dica da Musa do Brasil 2016, que se diz especialista em concursos de beleza, é cuidar do shape e saber valorizar a naturalidade. “Estar com o corpo em dia não significa correr para o cirurgião plástico.

Nem viver dentro da academia. Aposte no shape slim, aquele que não é grosseiro. Eu escolheria essa linha. Nada de mulher montada ou muito grande. Uma futura campeã precisa ter definição, mas também um corpo feminino”, aconselha.

Ostentando a faixa de campeã, que lhe rendeu alguns convites para a TV, Iara ainda falou como o concurso mudou sua vida.

“Me trouxe muita maturidade e abriu portas. Além disso, antes do Musa do Brasil eu era insegura com o meu corpo. Sofri bullying na adolescência e isso me deixava com o pé atrás em todos os sentidos. Depois do concurso me libertei e comecei a acreditar mais em mim”.