Mulher sem-teto vive sete anos dormindo em casas de pessoas que conheceu em aplicativos de encontros

Mulher usava fotos tiradas em festas para parecer que tinha casa

Foto: Reprodução/Instagram

A cantora e escritora britânica Chloë Florence relatou ter vivido como sem-teto nos últimos sete anos, tendo na maior parte do tempo se abrigado na casa de mulheres que conheceu em aplicativos de encontro, como o Tinder.

Segundo ela, a prática teria começado em 2013, quando ela conseguiu seduzir uma turista australiana e as duas dormiram juntas em um hostel na cidade de Londres. A partir daí, Chloë começou a usar os apps não só para conseguir encontros, mas também para ter abrigo.

“Eu estava apenas vivendo minha vida, sobrevivendo de um encontro a outro no Tinder”, contou em um artigo publicado no jornal inglês “Metro”. Isso me deu confiança, e a cada encontro bem sucedido, chegava a um lugar seguro para dormir.

A cantora ressaltou que a tática nem sempre era bem sucedida, e que quando não conseguia um encontro, optava por dormir no metrô, em lanchonetes 24 horas ou entrava de penetra em alguma festa rave, que podem durar até dias.

Para esconder sua condição, Chloë disse que usava roupas que roubava de algumas lojas, maquiagens pegas como amostra grátis em salões e fotos em festas. Quando perguntada onde vivia, dizia que tinha pais ricos, mas que não aprovavam sua orientação sexual.

Cloë Florence finaliza o artigo dizendo que “foram anos muito intensos”, mas que, hoje, tem um lugar para viver, após ter sido acolhida pela Stonewall Housing, uma instituição de Londres que acolhe pessoas LGBTQI+ em situação de rua.