Mulher que teve parada cardíaca de 6h disse que pretende voltar a escalar

Foto: Reprodução/Facebook

A britânica Audrey Mash, de 34 anos, que sobreviveu depois de sofrer uma parada cardíaca de seis horas após ter hipotermia ao fazer uma trilha na Espanha, disse que pretende voltar a escalar. “Não quero que essa situação tire esse hobby de mim”, contou em entrevista à emissora TV3, na última quinta-feira (5).

“Provavelmente neste inverno não vou mais às montanhas, mas espero que na primavera eu já possa voltar a escalar novamente”, disse ainda para a canal de TV.

Em coletiva de imprensa, os médicos de um hospital de Barcelona, responsável pelo salvamento da mulher, disseram que essa foi a maior parada cardíaca já registrada no país.

Os profissionais explicaram que a baixar temperatura também acabou sendo a causa da sobrevivência da muher. “Ela parecia estar morta. Mas nós sabíamos que, num contexto de hipotermia, Audrey tinha chance de sobreviver”, declarou o médico Eduard Argudo.

“É um caso excepcional em todo o mundo. Se ela tivesse tido uma parada cardíaca tão longa assim com a temperatura normal do corpo, ela estaria morta”, finalizou o especialista.

O marido de Audrey, Rohan Schoeman, disse que acreditava que a esposa estava morta. “Eu tentava sentir o seu pulso, mas meus dedos também estavam dormentes. Por isso, eu não tinha certeza se eram meus dedos, mas eu não conseguia sentir sua respiração e conseguia sentir seus batimentos”, contou ele.

Método inovador

Após as primeiras tentativas de salvamento, a britânica foi submetida a um método utilizado pela primeira vez na Espanha. O dispositivo chamado ECMO se conectou ao sistema cardiovascular da paciente e substituiu a atividade pulmonar e cardíaca. “Não sabíamos se funcionaria, mas era a única opção”, explicou Eduard.