Mulher é expulsa de voo ao citar bomba

tráfego de caminhões em rodovias federais terá restrições nos feriados de 2016

Uma passageira foi retirada do voo JJ3518, Vitória – Brasília, por volta de 7h desta terça-feira (14), após dizer que 'queria ser uma mulher bomba para explodir o avião' onde também estava o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung.

Após a declaração, segundo testemunhas, o comandante da aeronave pediu para que a passageira se retirasse.

Além de Hartung, deputados da bancada capixaba e o ex-governador Renato Casagrande, também, estavam no avião.

O voo da mulher foi reprogramado para a próxima segunda-feira (20).

A companhia TAM Linhas Aéreas foi procurada pelo G1 e informou que a passageira teve o embarque negado no voo por conta de comportamento indisciplinado.

O voo, que deveria ter partido às 7h10, decolou às 7h32, pousando normalmente no destino às 9h20.

A TAM esclareceu que segue os mais elevados padrões de segurança, atendendo rigorosamente aos regulamentos de autoridades nacionais e internacionais.

O governo do estado foi procurado e informou que vai se posicionar por meio de nota sobre o ocorrido.

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) foi procurada e disse que não se posiciona sobre o que acontece no interior das aeronaves.

'Clima pesado'

Poucas pessoas conseguiram ouvir a suposta ameaça da mulher, que aparentava ter entre 50 e 60 anos, segundo relato do deputado federal Carlos Manato (SD-ES), também presente no voo. Entretanto, de acordo com o parlamentar, o clima no avião ficou pesado.

"Eu apenas visualizei que era uma senhora de 50 e 60 anos que estava até tranquila. Parecia que ela queria descontar uma raiva da política na hora errada. Não se faz esse tipo de coisa dentro de um avião. O clima ficou bem ruim porque percebemos as conversas paralelas da tripulação e o atraso na decolagem", relata o deputado.

Manato ainda contou que a senhora chegou a ser trocada de lugar na aeronave várias vezes, antes de ser retirada do avião.

Através da assessoria de imprensa, o ex-governador Renato Casagrande (PSB) informou que não presenciou o incidente porque foi o último a entrar na aeronave. Casagrande, segundo a assessoria, viajou para Brasília para cumprir agenda da Fundação João Mangabeira, entidade do Partido Socialista Brasileiro (PSB) que preside desde novembro de 2014.

* Com informações de Caique Verli, do jornal A Gazeta.