Ministro Fávaro recebe representantes do Rio Grande do Sul para tratar de demandas prioritárias do setor agrícola

Picture of Mapa

Mapa

Ministro Fávaro recebe representantes do Rio Grande do Sul para tratar de demandas prioritárias do setor agrícola

Compartilhe:

O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, recebeu representantes da Federação de Agricultura do Rio Grande do Sul, Farsul, da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul, Federarroz, e da Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul, Ocergs, da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil, CNA, e o deputado Alceu Moreira para tratar das principais demandas do setor.

Em reunião, nesta quinta-feira (17), eles conversaram com Fávaro sobre a necessidade de medidas que viabilizem o acesso ao crédito para os agricultores gaúchos que não têm conseguido novos recursos junto aos agentes financeiros. Segundo informaram, em razão de uma estiagem prolongada e a recente passagem de um ciclone pela região, os agricultores tiveram muitos prejuízos e precisam de soluções para renegociar suas dívidas. Nesse sentido, eles pediram a ajuda de Fávaro para buscar soluções para o impasse.O ministério já estuda o assunto.

Calendário

Outro tema levado para o ministro foi a revisão do calendário de semeadura da soja, que é adotado como medida fitossanitária complementar ao período de vazio sanitário, para reduzir ao máximo possível a ocorrência da ferrugem asiática da soja, considerada uma das mais severas doenças que incidem na cultura.

A proposta é mudar a data de plantio da soja para o Rio Grande do Sul para 01 de outubro de 2023 até 18 de fevereiro de 2024. No calendário atual, o plantio começa em 1o de outubro deste ano e vai até 8 de janeiro de 2024, o que reduz em 40 dias a janela de semeadura. O ministro Fávaro afirmou que os pedidos de mudanças serão avaliados de forma técnica, considerando as necessidades específicas de cada estado.

“Nós compreendemos que o Brasil é um país continental, com grandes diferenças regionais e vamos tratar as exceções de forma excepcional. Isso será feito com base na ciência e nas verdadeiras particularidades, evitando a pirataria de sementes e o plantio de soja sobre soja, que prejudica nossa produção com risco sanitário”, afirmou o ministro.

Deixe um comentário

Veja Também

Quer ser o primeiro saber? Se increve no canal do PH no WhatsApp