Ministério promove 1º Encontro de Bioeconomia e Sociobiodiversidade na Amazônia

O objetivo é estimular o diálogo entre os entes federativos, empresas, instituições de pesquisa e sociedade civil

Floresta Amazônica Felipe Santos da Rosa/Embrapa

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (SAF), promoverá, nos dias 12 e 13 de novembro, o 1º Encontro de Bioeconomia e Sociobiodiversidade na Amazônia. Com o tema “Articulando Iniciativas para o Fortalecimento das Cadeias Produtivas”, o evento será realizado na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), em Manaus.

Com uma programação diversificada (painéis, apresentações, debates e workshops), a atividade buscará estimular um modelo de desenvolvimento sustentável para a região amazônica, alinhando formas de financiamento e investimento que promovam a agregação de valor da biodiversidade.

A proposta é potencializar o diálogo e a interação de políticas públicas federais e estaduais, inciativas do setor empresarial, das instituições de pesquisa e da sociedade civil, focadas em fortalecer a bioeconomia da sociobiodiversidade na Amazônia, viabilizando parcerias e construindo agendas articuladas.

Os painéis de debate serão divididos em sete eixos norteadores: Políticas Públicas e Bioeconomia; Iniciativas de Mercados Verdes – Empresas e Comunidades; Construindo Caminhos para a Estruturação da Bioeconomia; Amazônia 4.0 & Rainforest Business School; Pesquisa, Inovação Tecnológica e Incubação de Negócios; Relações Internacionais na Bioeconomia; e Desenvolvimento e Visão de Futuro.

>> Confira a programação completa   

O Encontro é voltado para profissionais que atuam em áreas ligadas à bioeconomia e público em geral, interessado na temática e que enxergam a importância de estimular um modelo de desenvolvimento sustentável para a região. Para participar, é preciso fazer inscrição aqui. As vagas são limitadas.

“A Amazônia é uma região com imensa biodiversidade e observamos um grande potencial de agregação de valor a esta biodiversidade. Articular o cultivo sustentável e o extrativismo com os arranjos de mercado e parcerias com o setor empresarial é o melhor caminho para melhorar a qualidade de vida da população local, dos agricultores familiares, pequenos e médios produtores, e povos e comunidades tradicionais e preservar a floresta”, explica o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo , Fernando Schwanke.

A iniciativa está ligada às ações do programa Bioeconomia Brasil – Sociobiodiversidade, lançado este ano pelo Ministério da Agricultura, e do Projeto Mercados Verdes e Consumo Sustentável, resultado de parceria entre a SAF e a Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ, na sigla em alemão), que tem como objetivo ampliar o acesso aos mercados para os produtos da sociobiodiversidade e da agroecologia, advindos das organizações econômicas da agricultura familiar e dos povos e comunidades tradicionais na Amazônia.

Organizado pela Green Rio, um dos principais eventos sobre bioeconomia no Brasil, o evento conta com o apoio da GIZ, por meio do Projeto Mercados Verdes e Consumo Sustentável, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e do Fundo Mundial para a Natureza (WWF-Brasil).