Minirreforma eleitoral deve favorecer participação da mulher na política, avalia deputada Gisela Simona

Picture of Da Assessoria

Da Assessoria

Minirreforma eleitoral deve favorecer participação da mulher na política, avalia deputada Gisela Simona

Proposta vai incluir pré-candidatas e dirigentes partidárias em casos de violência política entre outros

Compartilhe:

Presidente da executiva do União Brasil Mulher em Mato Grosso, a deputada Federal Gisela Simona vê com entusiasmo os avanços que devem acontecer com minirreforma eleitoral, que tramita em caráter emergencial, quanto à participação do público feminino nas campanhas políticas. A garantia dos avanços foi dada pelo relator do PL, deputado Rubens Pereira Júnior (PT-RJ), durante reunião com a bancada feminina na Câmara Federal realizada nesta segunda-feira (04.09).

Gisela Simona explica que foi instituído um grupo de trabalho, presidido pela deputada Dani Cunha (União Brasil – RJ), para ouvir as várias partes envolvidas com relação à legislação eleitoral para propor mudanças.

“É uma minirreforma, mas que vai impactar muito forte nas eleições, e enquanto bancada feminina entendeu-se necessário ter uma reunião com o relator e a presidente do grupo de trabalho, que é uma mulher, para ver especificamente o que tem em relação à mulher e requerer que não se tenha retrocessos relativo às conquistas já obtidas pelas mulheres no processo eleitoral”.

O relator garantiu, durante a reunião, que ficará regulamentada a questão da violência política de gênero, ampliando o rol de vítimas. Hoje o Código Penal Brasileiro estabelece que as vítimas são apenas as candidatas e mandatárias e a reforma deve incluir as pré-candidatas e as dirigentes partidárias.

A minirreforma, que deve entrar em vigor já em 2024, ainda prevê disciplinar o repasse do fundo eleitoral para as mulheres. “Muitas vezes as candidatas recebem o recurso quando está encerrando o período de campanha e já não dá para fazer mais nada.  Então é para disciplinar o recebimento do fundo eleitoral, saber exatamente qual é a cota feminina.

Outra situação apontada pelo relator é a transparência quanto ao plano de mídia. “Muitas candidatas não aparecem na propaganda eleitoral de rádio e TV e ao menos têm acesso ao plano de mídia”, pontua a parlamentar mato-grossense, dentre outras regras que visam simplificar e modernizar as regras eleitorais”.

Para Gisela Simona, são pontos positivos que atendem as necessidades das mulheres da política. “Aguardamos o texto da minirreforma para ver exatamente quais os benefícios ou não, mas pela fala e comprometimento do relator a expectativa é de que ela venha a diminuir a burocracia para ter uma mulher candidata e eleita no Brasil”, completa.

Deixe um comentário

+ Acessados

Veja Também

Quer ser o primeiro saber? Se increve no canal do PH no WhatsApp