Milho apresentará novos recordes em MS, estima Aprosoja

Expectativa passa de 9,5 milhões de toneladas para 11,4 milhões de toneladas do cereal

Milho apresentará novos recordes em MS, estima Aprosoja
Zineb Benchekchou/Embrapa

A área destinada à segunda safra do milho de Mato Grosso do Sul que crescia cerca de 6% a cada ciclo, de acordo com o levantamento do Sistema de Informações Geográficas do Agronegócio (Siga MS), em 2019 terá aumento recorde de 19,18%, chegando a 2.173 milhões de hectares. Consequentemente, a produção também deve atingir novos patamares, com expectativa de chegar a 11,475 milhões de toneladas.

Segundo a Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso do Sul) as expectativas iniciais eram otimistas, mas não tão expressiva. “O levantamento das safras passadas, junto aos investimentos dos agricultores e expectativa de comportamento do clima, nos levaram a crer em uma safra robusta, mas não na casa dos 11 milhões de toneladas”, revela o presidente da Associação, Juliano Schmaedecke.

“Estamos surpresos com o andamento da safra, apresentada pela equipe do Siga. Conseguimos averiguar o mínimo impacto climático, altas produtividades em algumas fazendas, além de áreas que antes eram ocupadas por outras culturas, que deram espaço para o milho”, completa.

Os técnicos do Siga MS também revisaram a previsão da produtividade. A projeção inicial estimava cerca de 83 sacas por hectare, e a atual ainda é mantida em 88 sacas, um aumento 6% no potencial esperado de produtividade de grão.

“As projeções precisam levar em conta a eficiência da pesquisa desenvolvida em Mato Grosso do Sul. As fundações desenvolvem um trabalho exemplar, capaz de verificar a aptidão do solo de cada região do Estado, para cada uma das cultivares. Isso somado ao trabalho do agricultor, e clima propício, tende estimular recordes a cada safra”, pontua Schmaedecke.

Colheita

Com base no relatório do Siga MS a área colhida de milho acompanhada pelo Projeto SIGA MS alcançou 78,9%, o equivalente a 1,713 milhão de hectares.

A região Norte está com a colheita mais avançada, com média de 97%, enquanto a região Centro soma 79,7% e a região Sul com 75,9% de média.

Na soma o percentual de área colhida no estado, na segunda safra de milho, está cerca de 25,6% superior ao mesmo período do ciclo passado.