MEC mantém apoio para ampliação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica

seduc proporciona pedagogia diferenciada a estudantes estrangeiros

Nesta terça-feira (26), oministro da Educação, Mendonça Filho, afirmou que manterá o apoio ao projeto de expansão do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), localizado em São José dos Campos (SP).

A declaração foi feita em Brasília durante reunião com o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Luiz Rossato, acompanhado do reitor do ITA, professor Anderson Ribeiro Correia.

“Faremos todo o esforço, por parte do Ministério da Educação, para que essa cooperação possibilite a conclusão das obras de ampliação e de reestruturação do ITA, dentro do cronograma preestabelecido”, afirmou o ministro.

A conclusão das obras da primeira fase, que contempla o prédio de ciências fundamentais, está prevista para novembro deste ano, mas é necessária a liberação de recursos financeiros. As próximas etapas são as construções da biblioteca, do auditório e dos novos alojamentos para os alunos. A expansão permitirá que o ITA dobre o número de vagas oferecidas. “É um projeto que vai muito além do Comando da Aeronáutica; é uma escola de excelência que traz muitas contribuições para a sociedade brasileira”, enfatizou o comandante.

Outro ponto importante do projeto de expansão trata da contratação de 143 professores e de 880 técnicos. A lei para criação dos novos cargos foi aprovada em dezembro de 2012, mas os novos concursos ainda não foram autorizados. De acordo com o ministro da Educação, o MEC atuará de modo a colaborar para que a Aeronáutica tenha as condições de recursos humanos e de orçamento necessários para concluir esse processo.

“Vamos desdobrar as demandas expostas aqui em duas etapas: ver como podemos ajudar além do que está orçado na agenda do MEC para este ano e, para 2017, quando tivermos a definição do que o ministério terá assegurado de orçamento pelo Planejamento, definiremos de que forma poderemos estreitar essa parceria entre o MEC, a Aeronáutica e o ITA”, concluiu o ministro.