Marcelo Marques não oficializa rodízio e corre sério risco de sofrer boicote nas eleições

levy: ajuste do câmbio é necessário

Até o momento o vereador Marcelo Marques (Pros) não indicou uma data para iniciar o rodízio entre os suplentes de sua coligação.

Segundo membros dos partidos que fizeram parte do grupo (PRB, PRTB, PMN, PTC, PPL e PCdoB) que ajudou a eleger o legislador, pelo menos um suplente já deveria ter assumido por dois meses no ano passado, pela ordem seria Roni Cardoso (PRTB).

O segundo nome da lista é Silvio Negri (PC do B), que aguarda uma decisão para ocupar o cargo por 60 dias, ainda no primeiro semestre de 2015.

O impasse tem gerado grande mal estar entre as siglas. Um colega de parlamento de Marques avalia que a situação do vereador é delicada e ele precisa sentar com os partidos para resolver a situação. “O Marcelo é uma boa pessoa, não o vejo como mal intencionado. Ele afirma que ata do acordo entre os suplentes foi assinada sem a devida importância do teor do documento. Certo ou não, vai ter que sentar com os partidos da coligação e solucionar a pendência, caso contrário sua reeleição estará comprometida. Já escutei uns dois, três falando em boicote. Isso é muito ruim e complica um projeto político”, explica.

Marcelo Marques foi eleito pelo PRB com apenas 617 votos. No começo de 2013, deixou seu antigo partido para se filiar a uma legenda de mais expressão e se filiou ao então recém-criado Pros.