Mão de obra de reeducandos da Mata Grande em Rondonópolis pode ser contratada por empresários

Parceria entre Sedec MT e Sesp deve fomentar o interesse dos empreendedores do Estado por meio do Pensando Grande para os Pequenos

Secretário adjunto Celso Banazeski e equipe conhecendo a estrutura e os trabalhos da penitenciária "Mata Grande" em Rondonópolis - Foto por: Sedec MT

Conhecer as frentes de trabalho dos reeducandos da Penitenciária Regional Major Eldo de Sá Correa, em Rondonópolis, foi o objetivo de uma visita da equipe técnica da Secretaria Adjunta de Desenvolvimento do Ecossistema Empreendedor, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec MT) nesta quinta-feira (22.10). Uma parceria com a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), por meio do programa Pensando Grande para os Pequenos, deve ser formatada e fomentar o interesse dos empresários mato-grossenses por esta mão de obra.

“O trabalho que vimos aqui é magnífico e percebemos que os reeducandos sairão melhores e mais preparados para serem reinseridos, pois muitos não tinham qualificação alguma. Vamos incentivar os empresários e levar esta ideia para as rodadas do Circuito Empreendedor no próximo ano”, afirmou Celso Banazeski, secretário adjunto de Desenvolvimento do Ecossistema Empreendedor.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, a parceria pode ser proveitosa para ambas as partes. “Vamos motivar os empresários, pois isso pode ser um diferencial de competividade com mão de obra mais barata e sem encargos. Inclusive, o governador Mauro Mendes assinou um projeto de lei que prevê o auxílio da empreendedores que contratarem esta mão de obra com o pagamento de metade de um salário mínimo”, explicou.




“Agora que conhecemos o trabalho das unidades prisionais e aceitamos o desafio de ingressar no projeto, precisamos do regramento de como será a parceria. Então, consultaremos todas as áreas técnicas necessárias para dar andamento e partir para a prática”, informou Elisama Fonseca de Carvalho Macedo, superintendente de Política Industrial, Minas e Energia da Secretaria Adjunta de Desenvolvimento do Ecossistema Empreendedor.

A penitenciária conhecida como “Mata Grande” é a segunda maior do Estado e abriga atualmente 1.500 presos, dos quais 330 estão trabalhando extra e intramuros. O diretor Aliton Ferreira disse que é preciso preparar para ressocializar. “Temos que ter a consciência de que todos vão sair. Queremos eles melhores ou piores? Por isso, é preciso descobrir o talento de cada um e incentivar o trabalho”, afirmou.

A Mata Grande tem vocação para o trabalho, na opinão da superintendente de Política Penitenciária da Sesp, Michelli Egues Dias Monteiro. “Convidamos a Sedec para conhecer o trabalho realizado aqui e compreender o potencial da unidade. O trabalho tira da ociosidade, dá retorno para a sociedade e dá dignidade para os presos, além do retorno interessante para o empresário”, diz.

O diretor da penitenciária contou que há uma comissão que faz a seleção dos presos aptos a trabalhar, composta por assistente social, psicóloga, assessora jurídica, entre outros profissionais. “Há um protocolo de inserção dos recuperandos para verificar as habilidades e os perfis para cada trabalho”. Entre os trabalhos desenvolvidos na penitenciária estão panificação, oficina elétrica, alfaiataria, artesanato, marcenaria, entre outros.