Fundo Brasil-China será referência para América Latina


O embaixador chinês Li Jinzhang afirmou que a parceria com o Brasil servirá de referência para novos negócios com outros países da América Latina. Em maio, Brasil e China assinaram um acordo bilateral para a criação de um fundo de cooperação para projetos desenvolvidos no País nas áreas de infraestrutura, logística, energia e recursos minerais, agroindústria, tecnologia avançada, agricultura, armazenagem agrícola, manufatura, serviços digitais e outros.

Os investimentos podem chegar até US$ 20 bilhões. Destes, US$ 15 bilhões serão desembolsados pelo Fundo Chinês para Investimento na América Latina (Claifund), e de até US$ 5 bilhões por instituições financeiras brasileiras.

Nesta sexta-feira (16), em encontro com empresários chineses, o ministro interino do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, afirmou que a parceria com a China é essencial para a retomada do crescimento no País.

“Há diversos aspectos na nossa economia que podem ser melhorados e que podem ter ganhos de produtividade, com qualidade de vida para a nossa sociedade e com ganhos para os privados. Ou seja, há como ser um grande ganha-ganha para as duas nações”, disse o ministro.

O secretário de Assuntos Internacionais (Seain), Jorge Arbache, ressaltou que a queda nas taxas de juros contribuiu para a alta na confiança dos investidores, com a entrada de US$ 80 bilhões no último ano no País.

“O Brasil continua com estabilidade financeira e atraindo investimento estrangeiro direto com baixa taxa de vulnerabilidade externa e pronto para ensaiar uma recuperação consistente da atividade econômica”, avaliou Arbache.