Frango sobe na pauta cambial e, por ora, é o 5º colocado

famato e corpo de bombeiros discutem a segurança nas feiras agropecuárias de mt

Depois de iniciar o ano ocupando, na pauta cambial brasileira, o mesmo sexto lugar de 2016, a carne de frango fechou o primeiro bimestre de 2017 subindo uma posição. Ou duas se considerado que no mesmo bimestre de 2016 havia ficado no sétimo posto. Mas não só isso. Porque a carne de frango está entre os cinco únicos produtos que, em apenas dois meses de exportação, obtêm receita cambial superior a US$1 bilhão.

Os aumentos de 9% no volume embarcado e de pouco mais de 21% no preço médio garantiram que em apenas dois meses a receita cambial da carne de frango in natura aumentasse 32% em relação ao primeiro bimestre do ano passado e alcançasse US$1,026 bilhão, resultado inédito para esse período.

Foi o suficiente para que o produto deixasse a sétima posição ocupada no mesmo período de 2016 e passasse para o quinto lugar da pauta cambial brasileira. Isso assegurou, também, que a participação da carne de frango na receita global das exportações aumentasse quase 7%, passando de 3,16% há um ano para 3,38% no corrente exercício.

A registrar que, de acordo com a tabela abaixo, os 10 principais produtos da pauta neste ano estavam posicionados, no ano passado e no mesmo bimestre, entre a segunda e a décima primeira posição. Ou seja: está ausente do grupo atual exatamente o primeiro colocado de um ano atrás. Mas… quem será?

Resposta: o milho em grão que, no acumulado de janeiro-fevereiro de 2016, liderou o ranking dos principais produtos exportados, deixando para trás até o petróleo e o minério de ferro e respondendo por 6,6% da receita cambial brasileira.

Neste ano e até o momento, o milho se encontra na 17ª posição e sua participação na pauta mal chega a 1%.