Finalistas mato-grossenses do CNA Jovem compartilham suas histórias em web conferência

Foto: Assessoria/ Senar-MT

Cada um com sua história, mas todos com o mesmo objetivo que é trabalhar para fortalecer o agronegócio. Os quatro mato-grossenses finalistas do Programa CNA Jovem estão bastante entusiasmados com as próximas etapas. O programa CNA Jovem é desenvolvido pela Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

Nesta segunda-feira (22.02) eles participaram de uma webconferência com o “time” do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT). Apesar do papo descontraído, cada um tem seu sonho bem definido e já estão na “labuta” em busca de mais conhecimento e informações para aprimorar a liderança que já faz parte de suas vidas.

“Vocês têm uma missão muito importante em uma área representativa para o Brasil e para Mato Grosso.  O agro precisa de líderes que se expressem com clareza, que não têm medo de falar a verdade e que tenham conhecimento da causa. O CNA Jovem dará uma bagagem fantástica para vocês”, destacou o superintendente do Senar-MT, Francisco Olavo Pugliesi de Castro, popularmente conhecido como Chico da Paulicéia.






Chico tem mais de 20 anos de atuação no Sindicato Rural de Rondonópolis e em instituições, associações e entidades do agronegócio. Além de ser vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), desde janeiro de 2020, ele ocupa o cargo de superintendente do Senar-MT.

Ele contou um pouco de sua história e convidou os jovens para conhecer o Sistema Famato. O superintendente se colocou à disposição para apoiá-los e contribuir com o que for possível para que possam vencer o desafio e estar entre os ganhadores do Prêmio CNA Jovem.

E cada um foi contando um pouco de sua história. Jackelliny Rosa é zootecnista e analista da Regional do Senar-MT em Juína. Ela conciliou a primeira fase do Programa com a maternidade. “Quando me inscrevi estava em licença maternidade e hoje, a Helena já tem um ano e dois meses. Quando retornei ao trabalho, estudava nos fins de semana. Não foi fácil, mas foi recompensador”, afirma.

Flávio Andrade também é zootecnista e finalista do CNA Jovem. Ele divide sua rotina entre Cuiabá, onde mora, e as cidades de Figueirópolis do Oeste e Campinápolis, onde a família possui propriedades rurais voltadas à pecuária. Conheceu o programa por indicação de um amigo e garante que até aqui, o projeto já o ajudou a dar foco em sua carreira.

“O maior desafio foi definir a minha área de atuação. Minha família é envolvida com a lida do campo há gerações, mas eu nunca quis estar só na fazenda. Como liderança, posso ajudar muito mais o setor e o programa me ajudou a enxergar melhor esse propósito”, explica.

Camila Malagi, de Lucas do Rio Verde, também já iniciou as mudanças após a experiência desta primeira fase. “Sou filha de pecuarista, meu pai é iniciante, mas eu não contribuía tanto na propriedade. Após o programa comecei a ajudar mais e toda a família aprovou”, destaca.

E assim como para os outros, as expectativas estão altas para Anna Luz. Aos 28 anos, a zootecnista já fez a diferença na vida de produtores rurais como instrutora credenciada junto ao Senar-MT. Mas, como finalista do CNA Jovem, espera ampliar o próprio conhecimento e ajudar ainda mais o setor agro. “Espero colocar em prática a liderança e ter mais assertividade nos projetos”.