Farelo de soja: atenção ao clima na Argentina e ao câmbio

farelo de soja: atenção ao clima na argentina e ao câmbio

Os preços do farelo de soja caíram na primeira quinzena de janeiro deste ano, acompanhando os recuos verificados para a soja grão. A expectativa de uma safra maior no país na temporada atual (2016/2017), o início da colheita e o aumento do esmagamento em curto e médio prazos são os principais fatores de baixa sobre os preços do grão e farelo no mercado interno.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, em São Paulo, a tonelada do farelo de soja está cotada, em média, em R$1.217,07, sem o frete. Houve queda de 4,0% em relação a dezembro/16. Na comparação com janeiro do ano passado, o insumo está custando 8,1% menos.

Em curto e médio prazos, a expectativa é de mercado frouxo. No entanto, apesar do avanço da colheita e esmagamento no país, questões como o clima e o câmbio merecem atenção.

No caso do clima, a situação mais complicada ocorre na Argentina, em função dos excessos de chuvas e alagamentos em importantes áreas produtoras. O país é um grande exportador de farelo e óleo de soja.