Famato participa de simulado para emergências zoossanitárias com ênfase em febre aftosa

Picture of Ascom Famato

Ascom Famato

Famato participa de simulado para emergências zoossanitárias com ênfase em febre aftosa

Compartilhe:

A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) participou, em Juscimeira, entre os dias 30 de julho e 6 de agosto, do exercício simulado para emergências zoossanitárias com ênfase em febre aftosa, realizado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT).

Além de servidores do Indea, Defesa Civil, forças de Segurança Pública, Exército e instituições privadas envolvidas na pecuária mato-grossense, participaram do treinamento as agências estaduais e superintendências federais da Defesa Agropecuária do Brasil e de países da América do Sul. Da Famato participou o analista de pecuária e médico veterinário, Marcos de Carvalho.

Os participantes simularam como agir em caso de foco de febre aftosa, como a instalação de barreiras sanitárias, desinfecção de veículos, sacrifício de animais, ações de contenção do vírus nas propriedades rurais que teriam foco da doença.

Para o analista da Famato, Marcos de Carvalho, o exercício de simulação das ações contra a febre aftosa deve fortalecer ainda mais o serviço veterinário oficial de Mato Grosso e do país. “Essa parceria entre Indea, Mapa e iniciativa privada possibilita a capacitação de um número maior de profissionais do estado, tornando a defesa sanitária de Mato Grosso ainda mais preparada para atender emergências zoossanitárias”, disse.

A ênfase do treinamento é febre aftosa, já que o país busca atingir o status sanitário de zona livre sem vacinação, porém a ação orientou os participantes para outras emergências zoossanitárias como a peste suína clássica, peste suína africana e influenza aviária.

Mato Grosso – Em caso de foco de febre aftosa, o produtor rural de Mato Grosso tem direito a receber indenização do valor integral dos animais sacrificados num estado de emergência, conforme prevê a Lei 569/1948.

A indenização é calculada por uma comissão avaliadora, instituída por portaria do Mapa, onde integram representantes do Mapa, Indea e da classe dos produtores rurais.

Na propriedade onde existem animais positivos para a doença, ou seja, doentes, todos são sacrificados, mesmo aqueles que não apresentem sinais da doença, para conter a disseminação do vírus.

O cálculo do valor pago é estipulado pela comissão com a participação do produtor, cabendo 50% do valor total pago ao Fundo Estadual de Sanidade Animal (FESA-MT) e o restante, os outros 50% custeado pelo poder público, através do governo federal (2/3 do valor de indenização pública) e do governo estadual (1/3 do valor de indenização pública).

Protocolos – Em torno da propriedade foco são formadas zonas para impedir que o vírus se espalhe. Propriedades rurais que estão no raio de 3 km do foco encontram-se no perifoco. A partir do perifoco, mais 7 km tem a zona de vigilância e a partir desta tem-se a zona de proteção, com uma extensão de 15 km. São necessárias ações para contenção do foco numa extensão de 25 km ao redor da propriedade com animais positivos.

O Centro de Operações de Emergência Zoosanitária (Coezoo) também pode decidir pela realização de sacrifícios de bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos nas zonas de vigilância e na zona de proteção, para conter de forma mais rápida a disseminação viral. Também nessa situação o produtor será indenizado.

A comissão avaliadora de Mato Grosso, juntamente com o produtor calcularão o valor dos animais e o valor será pago integralmente pelo poder público. O valor da indenização será pago pelo governo federal (2/3 do valor total) e governo estadual (1/3 do valor total).

Caso as propriedades estejam até 150 km da fronteira internacional, sendo ela o foco ou estando na zona de contenção, o valor será pago integralmente somente pelo governo federal.

Animais com valor genético – A comissão tem autonomia para avaliar e calcular o valor genético dos animais, por exemplo: se há vacas leiteiras de alta produção ou touros registrados de valor genético, esse valor poderá ser acordado com o produtor, buscando sempre o valor real do animal, com o bom senso entre as partes. (Art. 5º do decreto 27.932 de 1950).

Currais ou construções rurais – A comissão também pode avaliar o valor das construções e o produtor será ressarcido.

Sacrifício de animais – Sacrificar animais é a forma mais rápida de conter a disseminação do vírus, ao criar um vazio sanitário em torno do foco. O sacrifício é realizado conforme preconiza a Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) respeitando todas as regras de bem estar animal. Ao gerar o vazio sanitário, ou seja, sem a presença de animais susceptíveis para o desenvolvimento da doença, a circulação e replicação viral é interrompida, interferindo diretamente no tempo para recuperar o status sanitário de livre sem vacinação. Portanto, deve-se pensar nos benefícios gerados pela contenção rápida do vírus, impedindo que mais animais fiquem doentes, evitando assim prejuízos futuros e de longo prazo para o estado e o país.

O país pode recuperar a mesma condição sanitária – Em até três meses após a eliminação do último animal do foco no sacrifício sanitário, sem vacinação de emergência. Neste caso é necessário o sacrifício sanitário sem vacinação de emergência.

Até três meses após a eliminação do último animal do foco no sacrifício sanitário ou eliminação de todos os animais vacinados, quando se recorre a vacinação de emergência. Sendo assim, é feito sacrifício sanitário no foco, com eliminação dos animais submetidos à vacinação de emergência;

Até 6 meses após a eliminação do último animal do foco no sacrifício sanitário ou da última vacinação de emergência de animais (dos dois o mais recente), sem que haja o sacrifício dos animais vacinados, mas isso requer exames nos animais para confirmar a ausência da circulação do vírus.

Deixe um comentário

Veja Também

Quer ser o primeiro saber? Se increve no canal do PH no WhatsApp