Enem tem alta de 46% no uso de nome social por transexuais

seduc proporciona pedagogia diferenciada a estudantes estrangeiros



O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) afirma que aumentou em 46% o número de travestis e transexuais que utilizarão o nome social no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2016. Ao todo, 408 pessoas tiveram a solicitação atendida, segundo o Inep. Na edição anterior, foram 278. Ao todo, o órgão recebeu 842 solicitações. Destas, 434 foram reprovadas porque os interessados não encaminharam a documentação, conforme exigia o edital do exame.

Para usar o nome social, o participante precisava fazer a inscrição no mesmo período que os demais candidatos. Depois, entre 1º de junho e 8 de junho, o pedido deveria ser formalizado pela internet, com o preenchimento de formulário e envio de foto recente e cópia de documento de identificação.

Tabela das inscrições pelo nome social, dividida por Estados (Foto: Ministério da Educação)

A possibilidade de uso do nome social ocorreu pela primeira vez em 2014, quando foram feitos 102 pedidos.

São Paulo lidera as inscrições por Estados, somando 180 inscrições, seguido de Minas Gerais, com 37 inscrições e Rio de Janeiro, com 35. Apenas o Acre não teve nenhuma inscrição tanto em 2015 quanto em 2016.

O Enem 2016 teve 8,647 milhões de inscrições confirmadas. Em 2015, o número de inscrições chegou a 7,7 milhões.

Cartão de confirmação

O cartão de confirmação estará disponível para todos os 8,6 milhões de inscritos exclusivamente na Página do Participante, em data a ser divulgada. No documento, constará o endereço do local de provas, datas e horários; o número da inscrição; a indicação do atendimento especializado ou específico; opção de língua estrangeira e solicitação de certificação, quando for o caso.

A impressão, para apresentação nos dias de provas não é obrigatória, mas recomendável, para que o candidato tenha as informações em mãos.