Encontro do CAR visa definir estratégias de implantação da análise dinamizada

O Serviço Florestal Brasileiro vai ouvir, ao longo da semana, as particularidades de cada estado sobre o tema

Foto: Guilherme Martimon/Mapa

OVII Encontro de Implantação do CAR iniciou na manhã desta segunda-feira (17) e contou com a presença da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, do diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), Valdir Colatto. Nesta edição, o evento, que termina no dia 21, vai discutir estratégias de implantação da análise dinamizada do Cadastro Ambiental Rural nos estados e no Distrito Federal. Para a ministra Tereza Cristina, o evento é importante para definir estratégias e prioridades entre o SFB e os órgãos competentes pelo CAR nas unidades federativas para a implementação do Código Florestal Brasileiro.

“O ministério da Agricultura é responsável pela efetiva implementação dessa agenda e vamos fazê-la. Hoje a implantação do CAR é nossa prioridade. Com isso, temos a oportunidade de tornar indissociáveis a conservação ambiental e o desenvolvimento da agropecuária brasileira.  Com o avanço do Código Florestal, traremos segurança jurídica ao produtor rural. Teremos informações estratégicas para coibir a ilegalidade e a oportunidade de estruturar mecanismos econômicos que minimizem os impactos sociais da regularização ambiental. A produção agropecuária integrada à conservação ambiental, gerando renda e desenvolvimento certamente será um ativo importante para o nosso país”, disse a ministra.

O evento também contou com a participação de representantes da Embaixada da Alemanha, do BNDES, do Banco Mundial, da Abema, do Conseagri, do SFB, da Embrapa, da UFLA, secretários estaduais de Agricultura e de Meio Ambiente.




Empenho conjunto

Para o diretor-geral do SFB, “é preciso contar com o empenho de todos os estados e do Distrito Federal na implantação da plataforma da análise dinamizada”. Valdir Colatto ressaltou os desafios que vão surgir a partir da análise dos cadastros feita pela plataforma ArcGis – sistema de informações geográficas para trabalhar com mapas, informações de georreferenciamento e geoprocessamento – que deve acontecer até o final de setembro.

“O maior desafio que todos nós vamos enfrentar será o trabalho de orientação aos produtores para que possam realmente implementar os dispositivos do Código Florestal Brasileiro, dentro da legislação já aprovada e ajustando os problemas que formos encontrando”, afirmou.

O coordenador do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Banco Mundial no Brasil, Renato Nardello, destacou que “o Brasil tem uma legislação ambiental muito forte, o que é um exemplo para o mundo”. Além disso, afirmou o apoio do Branco Mundial na implementação do Código Florestal Brasileiro por meio da aceleração do Cadastro Ambiental Rural com a integração da regularização ambiental e a fundiária.

Órgãos gestores

O Encontro de Implantação do CAR é realizado anualmente com representantes dos órgãos gestores do CAR nos estados e no Distrito Federal. Este ano, o evento está sendo feito por meio de videoconferência e visa traçar estratégias de implantação da plataforma da análise dinamizada dos cadastros nos estados. O encontro é organizado pela Diretoria de Cadastro e Fomento Florestal do SFB e nesta edição incluiu representantes das Superintendências Estaduais do Mapa.

A partir de quarta-feira, técnicos do Serviço Florestal Brasileiro vão dialogar com as regiões separadamente para as adaptações necessárias em função das particularidades de cada estado e do Distrito Federal, considerando o tamanho continental do país e a complexidade do processo.

A diretora de Cadastro e Fomento Florestal, Jaine Cubas, pretende aproveitar as lições aprendidas na etapa de inscrição para realizar as revisões nos cadastros para a análise e validação das informações. “Assim, poderemos transformar em realidade as formas de condução do monitoramento da vegetação nativa e da aprovação das áreas de reserva legal de imóveis rurais, possibilitando alcance inédito de atuação do poder público em um país como o Brasil, que possui dimensões continentais, particularidades regionais e áreas de difícil acesso”.

O Sistema do Cadastro Ambiental Rural tem mais de 6,5 milhões de imóveis ou posses rurais inscritos, numa área de 544 milhões de hectares.