Empaer realiza curso de apicultura com foco na comercialização de mel silvestre

Com a apicultura, o produtor pode atingir uma produção de até 50 quilos de mel por ano, o que pode render para a família até R$ 1.750 por colmeia

Uma colmeia produz em média 30 quilos de mel por ano - Foto por: Extensionista | Empaer-MT

Com objetivo de capacitar, incentivar e fornecer orientações teóricas e práticas sobre a criação de abelhas africanizadas – Apis mellifera, o técnico em agropecuária da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Gildo Alves Feitosa, ministrou um curso de apicultura no Assentamento Rural Juquara, município de Rosário Oeste (128 km ao Norte de Cuiabá).

Com enfoque na comercialização de mel silvestre, foram apresentados aos agricultores familiares o ciclo de vida das abelhas, equipamentos apícolas, instalação de apiários, captura de enxames e outros.

De acordo com Gildo, a criação de abelhas e a comercialização de seus produtos, como mel, cera e geleia real, tem se tornado uma fonte de renda lucrativa devido às inúmeras aplicações que podem ser feitas com o mel.  Além disso, a atividade apresenta baixo investimento de implantação, custo e rápido retorno financeiro. Ele esclarece que o Assentamento apresenta boas características para o desenvolvimento da apicultura e incentivou os agricultores a começarem com a atividade com cinco colmeias.




Uma colmeia produz em média 30 quilos de mel por ano.  Para atingir uma produção acima de 30 quilos é importante manter o apiário com abelhas rainhas jovens, com idade máxima de dois anos, já que vivem até cinco anos. Feitosa explica que um bom pasto apícola produz em média 3 mil ovos por dia, com uma população de 80 mil abelhas operárias por colmeia. Com a apicultura, o produtor pode atingir uma produção de até 50 quilos de mel por ano, o que pode render para a família até R$ 1.750 por colmeia. No mercado o mel está sendo vendido a R$ 35,00 o quilo.

Durante cinco dias (5 a 9.10), os agricultores familiares do Assentamento Juquara receberam informações para diversificar a produção e melhorar a renda familiar. Conforme Feitosa, um ponto que se destaca é a aquisição de equipamentos apícolas em conjunto para evitar gastos desnecessários e adequando cada equipamento adquirido à capacidade de produção do grupo e, se necessário, aprimorando-os de forma gradativa.

“Com três colmeias e uma produção de 150 quilos de mel por ano, o agricultor pode ter um lucro de R$ 5.250 por família”, esclarece.

O agricultor familiar Jonatas Jung comenta que a apicultura é mais uma alternativa de renda e pode auxiliar a comunidade rural. Consideradas as principais polinizadoras do meio ambiente e agrícola, as abelhas são responsáveis pela produção de mel, pólen, própolis e geleia real, produtos naturais saudáveis utilizados para várias finalidades e também como fonte de renda familiar, quando produzidos dentro das normas técnicas.

Segundo Jonatas, além do curso de apicultura já solicitou dos técnicos da Empaer a realização de novos cursos e capacitações, principalmente nas áreas de fruticultura e cultivos de plantas perenes do cerrado.

“Por enquanto, por razões burocráticas, todos os agricultores familiares dessa comunidade encontram-se impedidos de acessar o crédito rural, até que se regularize toda a documentação do assentamento”, explica Jung.

O curso contou com a participação de seis agricultores familiares que receberam orientações para construção de colmeias, instalação de apiário, captura de enxame, manejo de colmeias e cuidados na manipulação das abelhas, equipamentos para instalação do pasto apícola, higiene na manipulação do mel e outros.