Em carta ao Papai Noel, mãe pede cama para filha com paralisia

| guiratinga | prefeitura amplia distribuição de água no distrito do alcantilado

Cheia de esperança, a dona de casa Sislene Nogueira da Silva, de 46 anos, fez um pedido especial ao ‘Papai Noel dos Correiros’: uma cama hospitalar para a filha de 17 anos, Damiris Aparecida Costa, que tem paralisia cerebral desde que nasceu. A jovem não fala e não anda. O repouso contínuo causou uma escoliose – um tipo de desvio da coluna. Na carta endereçada ao ‘bom velhinho’, ela pede que o sofrimento da filha seja diminuído.

“Eu não quero mais nada na minha vida. Só que minha filha viva melhor”, afirmou a mãe da jovem. Damiris foi diagnosticada com paralisia cerebral desde o nascimento. Ela não fala, não anda e passa os dias deitada em uma cama. “Com essa cama a vida dela melhoraria muito”, disse a mãe.

Damiris e mãe moram sozinhas no Bairro Praeirinho, em Cuiabá. O pai dela abandonou a família quando a menina ainda tinha 10 anos. O motivo: a doença da filha. “Ele não aguentou as dificuldades e nos deixou. Eu cuido dela sozinha e lido com os problemas desde então”, completou Sislene.

Abandonada pelo marido, a dona de casa teve que largar o emprego de doméstica e se dedicar à filha. “Tive que abandonar meu emprego, tudo em função dela. Hoje nós sobrevivemos só com a aposentadoria que ela ganha”, afirmou. Ela não gasta com o tratamento que é bancado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas algumas despesas extras aparecem durante o mês.

“Se não tem um remédio na policlínica, tenho que comprar por contra própria”, disse Sislene. Em média, os remédios de Damiris custam R$ 400. Mesmo com todos os problemas, a dona de casa diz que nunca desistiu ou deixou ser vencida. “Eu nunca perdi a esperança. Sei que eu vou encontrar um doador que ajude minha filha”, contou em meio às lágrimas.

Damiris não fala, mas a mãe disse que é pelo olhar que ela consegue perceber as emoções da filha. “Sei que ela sempre está feliz apesar de tudo. Ele entende tudo e sabe que é muito amada”, afirmou. Em um trecho da carta, Sislene diz que a filha é muito alegre, sorridente e gosta de receber visitas.

Em 2015, a campanha ‘Papai Noel dos Correios’ em Mato Grosso recebeu cerca de 12 mil cartas. A ação, realizada há 26 anos, procura atender pedidos de pessoas que se encontrem em situação de vulnerabilidade social. De acordo com os Correios, a expectativa é de que, pelo menos, 80% dos pedidos sejam apadrinhados.