É possível acelerar o processo de cicatrização e recuperação do corpo por meio de alimentos naturais

É possível acelerar o processo de cicatrização e recuperação do corpo por meio de alimentos naturais

Ao realizar um procedimento cirúrgico, se recuperar de algum ferimento ou, até mesmo, após alguma intervenção estética, como uma tatuagem ou a colocação de um brinco, que geram algum tipo de lesão, várias preocupações surgem, e o aspecto final da cicatriz, embora não seja mais importante do que a saúde em si, é uma delas. A recuperação total, que torna a cicatriz quase imperceptível, não depende apenas da destreza do médico ou cirurgião, há outros fatores que definem a aparência do tecido lesionado, e a composição do cardápio, que muitas vezes passa batida, é um dos principais.

A maioria das pessoas desconhece que uma coisa tem tudo a ver com a outra e isso acontece porque certas substâncias, encontradas nos alimentos, têm a capacidade de retardar ou potencializar a reconstrução da área que sofreu uma incisão feita pelo bisturi do cirurgião, ou por um acidente. Alimentos ricos em vitaminas, proteínas, ferro e zinco, consumidos adequadamente, trabalham em conjunto para uma cicatrização rápida e saudável. Portanto, as escolhas alimentares fazem toda a diferença nesse processo e, por isso, é fundamental saber o que deve fazer parte da dieta e o que deve ficar longe do prato.

Como ocorre a cicatrização

Seja um corte, uma escoriação ou uma queimadura, sempre que o corpo sofrer algum tipo de lesão, o organismo buscará meios para realizar uma reparação. No entanto, se o ferimento não tiver uma boa recuperação, as chances de desenvolver cicatrizes definitivas são grandes. Para evitar isso, as pessoas, geralmente, investem em diversos tratamentos estéticos e cremes. Mas manter uma alimentação balanceada, aliada aos cuidados médicos, é a melhor maneira de acelerar o processo de cicatrização e reconstruir os tecidos rapidamente, evitando as marcas indesejadas.

O organismo enfrenta três fases nesse processo, a primeira é a inflamatória, caracterizada pela coagulação e migração celular, nela é necessário aumentar o aporte de vitamina K e proteínas. Já na segunda acontece a proliferação, ou seja, o desenvolvimento das células, sendo fundamental o consumo de alimentos ricos em vitamina C e minerais, como ferro e zinco. Na última fase acontece a remodelação, processo de maturação e estabilização do colágeno, por isso é essencial a presença de vitaminas e proteínas no organismo.

Fontes de cura

Segundo a nutricionista Gabriela Domingues, alguns alimentos funcionam como verdadeiros remédios naturais para acelerar o processo de cura da pele desde pequenos arranhões até incisões cirúrgicas. “Isso acontece graças aos nutrientes presentes em suas composições, que promovem a renovação e multiplicação celular de forma mais rápida, tornando assim a cicatrização eficiente e quase invisível após o período de regeneração”, explica a profissional que a atua naNova Nutrii?, especializada em nutrição clínica, segundo ela: “Os alimentos com propriedades cicatrizantes facilitam a formação do tecido que fecha as feridas e ajuda a diminuir as marcas na pele”. Conheça mais sobre os principais nutrientes que devem compor o cardápio durante esse processo:

Vitamina K

Essa vitamina já é usada clinicamente com a finalidade de acelerar a cicatrização da pele, especialmente após as cirurgias. Isso porque o nutriente atua diretamente na coagulação sanguínea, desempenhando uma função básica capaz de evitar hemorragias e aliviar inchaços, combatendo os hematomas que impedem uma cicatrização eficiente. Além disso, a vitamina K também é usada amplamente no campo estético, devido, justamente, às suas habilidades curativas que ajudam no tratamento de rosáceas e acnes e ainda combatem varizes, aliviam contusões, melhoram a aparência das estrias e auxiliam na recuperação e melhora de queimaduras. “Vegetais de folhas com a coloração verde escura como couve, agrião, espinafre, brócolis, coentro, orégano e outros são ótimas fontes desse nutriente”, complementa a nutricionista.

Vitamina C

Um dos nutrientes mais conhecidos quando se trata de cicatrização. Ela é essencial para o funcionamento pleno do nosso organismo e atua em todas as fases desse processo de regeneração, promovendo o crescimento e o reparo dos tecidos em todas as partes do corpo, tanto internos quanto externos. Isso porque é necessário um determinado teor dessa vitamina para que nosso corpo sintetize o colágeno de forma adequada, proteína que, por sua vez, é fundamental para a reconstrução dos tecidos lesionados, conferindo firmeza à estrutura celular da pele, tendões, músculos e ossos. Ou seja, a vitamina C é essencial para reparar e cicatrizar, além de proteger o corpo contra infecções e radicais livres, que são os principais inimigos da cicatrização. Para garantir o aporte deste nutriente é ideal aumentar o consumo de frutas como laranja, limão, abacaxi, kiwi, manga, morango, ou verduras como brócolis, agrião, couve, nabo entre outros.

Vitamina A

Este nutriente é capaz de regenerar a pele e oferecer energia para sua recuperação, por isso, é fundamental na reparação de lesões, tanto externas quanto internas. "Esta vitamina é usada em tratamentos contra acne, eczema, psoríase, herpes labial e outras patologias que atingem o corpo em sua camada externa, como no caso de feridas e queimaduras. Já internamente, a vitamina A combate processos inflamatórios no intestino e inflamações na urina", afirma Domingues. O nutriente pode ser encontrado em alimentos como cenouras, batatas, pimentões, abóbora, verduras de folhas verdes e frutas como o melão e damascos.

Proteínas

A cicatrização requer aminoácidos e peptídeos fornecidos pelas proteínas, que funcionam como uma espécie de “cimento” para fechar a ferida. Se a dieta for pobre nesses nutrientes o processo de cicatrização pode ser retardado, aumentando o risco de rompimento do corte e as chances de que a lesão deixe marcas visíveis após a reparação. Além disso, as proteínas ainda desempenham papel importante na sintetização do colágeno. A quantidade necessária durante esse processo depende da idade do paciente e do tamanho da lesão. Fatores como o stress e infecções também podem interferir. "O ideal é investir em cortes mais magros, como lagarto, alcatra, coxão mole, e filé-mignon. Para os vegetarianos e veganos é fundamental fazer oaporte proteicocom uma variedade de verduras e legumes que forneçam todos os aminoácidos necessários. Há também os suplementos fontes de proteínas que repõem a quantidade que precisamos, mas é importante consultar um especialista antes de inseri-los na dieta".

Alimentos anti-inflamatórios e antioxidantes

Alimentos ricos em ômega 3 não podem faltar no prato de quem está se preparando para encarar o bisturi ou, mesmo daqueles que já estão se recuperando de uma cirurgia ou acidente. Isso porque esse ácido graxo, encontrado em peixes gordos como a sardinha e o salmão, ou em sementes como a chia e linhaça, possui propriedade anti-inflamatórias que auxiliam o corpo no processo de cicatrização, favorecendo a reparação do ferimento. Mas, além disso, ele também é rico em antioxidantes, que combatem o excesso de radiais livres e favorecem a saúde do organismo e da pele, prevenindo, inclusive, o envelhecimento celular.

Hidratação

Fundamental para garantir a elasticidade da pele e a saúde e jovialidade das células, a água ainda ajuda a combater o inchaço e a retenção de líquidos, o que contribui para eliminar as impurezas do corpo. A dica da nutricionista é apostar em chás e águas aromatizadas. Na contramão ficam as bebidas alcoólicas, que devem ser evitadas, pois, elas promovem o ressecamento e desidratação, prejudicando os mecanismos que o organismo usa para a regeneração do tecido danificado.

Fique longe de:

Um cardápio balanceado é fundamental para a recuperação do machucado, mas, em contrapartida, há itens que devem ficar de escanteio nessa fase, em prol dacicatrizaçãocompleta do local lesionado. A especialista explica que, qualquer lesão já gera uma inflamação normal, sinalizando para o corpo que está na hora de cicatrizar, mas o processo se torna ainda mais complicado quando ingerimos alguns alimentos que causam um estado inflamatório preestabelecido, como é o caso de alimentos processados: "Os níveis de algumas proteínas no organismo são modificados, levando o corpo a um estado inflamatório mais elevado. Os alimentos ricos em gorduras trans, como salgadinhos, biscoitos e congelados, estão no topo da lista de itens contraindicados nesse processo".

De acordo com Domingues, por serem ricos em sódio, esses alimentos ainda causam um inchaço no corpo, que também atrapalha a recuperação. Os embutidos e os cortes mais gordos de carnes, como picanha e cupim, que são redutos de gorduras saturadas também devem passar longe do prato. "O maior risco da ingestão desses alimentos é que um maior número de células de defesa é recrutado para ajudar a reparar a ferida, isso acaba promovendo mais a formação de colágeno e vasos sanguíneos no local, gerando uma sobrecarga da proteína que aumenta o risco de desenvolver a temida queloide, que nada mais é do que o resultado dessa reação do organismo e consiste em uma cicatriz maior, com excesso de pele. Portanto, para evitar que isso aconteça, o ideal é seguir a dieta corretamente” – finaliza a nutricionista.