Dólar cai pela terceira vez seguida e fecha o dia valendo R$ 3,01

crise econômica pode trazer oportunidades de investimento, avalia especialista



O dólar encerrou em queda pela terceira sessão seguida nesta quinta-feira (16), acompanhando o cenário internacional e com os investidores buscando um novo patamar de flutuação da moeda, na medida que a cotação se aproxima da barreira de R$ 3.

A moeda norte-americana caiu 0,58%, a R$ 3,0167 na venda, acumulando queda de 3,45% em três sessões e fechando no menor patamar desde 5 de março.

Segundo dados da BM&FBovespa, o giro financeiro ficou em torno de US$ 1,1 bilhão.

Depois de abrir em queda ante o real, o dólar chegou a registrar certa volatilidade durante o primeiro período do pregão, oscilando entre leves altos e baixos. A tendência de queda se consolidou apenas na segunda parte da sessão, quando o dólar ampliou a queda no mercado internacional.

"As oscilações aqui são normais devido às quedas já ocorridas e ao patamar de sustentação de R$ 3", disse o economista da Tendências Consultoria Silvio Campos Neto.

A moeda norte-americana fechou abaixo dos R$ 3 pela última vez no dia 4 de março, a R$ 2,9807. Nas duas semanas seguintes, contudo, o dólar entrou em ascensão até fechar na máxima em quase 12 anos no dia 19 de março, a R$ 3,2965.

Desde o pico de março, a moeda norte-americana vem buscando um novo patamar e voltou a se aproxima de R$ 3, onde tem encontrado resistência para cair mais.

"O mercado está tentando encontrar um novo patamar, se é em R$ 3 ou se vai romper isso", disse o economista-sênior do Besi Brasil, Flavio Serrano, acrescentando acreditar que a moeda deve oscilar entre R$ 3 e R$ 3,10. "Na ausência de notícias relevantes, vamos ver o dólar oscilando nesse patamar."

Nesta manhã, o BC brasileiro vendeu a oferta integral de até 10,6 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em 4 de maio, equivalentes a US$ 10,115 bilhões. Até o momento, a autoridade monetária já rolou cerca de 56% do lote total.