Diretoria da Coder inspeciona canteiro de obras de construção da futura sede da companhia

Foto: Diego Utida

O Diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis (CODER), Argemiro Ferreira acompanhado por sua diretoria técnica (engenheiros e técnicos) e, o vereador Batista da Coder, estiveram na tarde desta segunda-feira (03), inspecionando o canteiro de obras da futura sede da companhia, que será instalada numa área de 75 mil M2, localizada no Distrito Industrial Vetorasso.

A Coder funciona há mais de 40 anos no mesmo local, na região do Bairro Cascalhinho, e diante da expansão e crescimento bem como da crescente demanda por mais espaço, a mesma será transferida para essa nova área mais ampla, e que acomodará confortavelmente toda a estrutura da empresa.

Segundo o presidente, a nova área que pertence ao município, será utilizada em regime de comodato por 30 anos pela Coder. De acordo com as estimativas iniciais, o projeto foi estruturado para ser concebido em duas etapas, com investimentos na ordem de R$ 11 milhões.

Ainda conforme Argemiro, inicialmente serão instaladas três usinas no local. A primeira delas será a Usina Asfáltica (CBUQ) Concreto Betuminoso Usinado a Quente). A segunda será a Usina de Concretagem e a terceira será a Usina de Reciclagem de Resíduos Sólidos da construção civil. O custo dessa 1ª parte do projeto está estimado em cerca de R$ 7 Milhões.

Ainda nessa primeira etapa, serão construídos espaços para oficina mecânica, borracharia, parte elétrica, marcenaria, serralheria, oficina para pequenos veículos e motos, sala de máquinas, setor de obras; setor de engenharia e fiscal, estacionamentos diversos, além de vários acessos ao pátio, como guaritas nas entradas principais dos setores: administrativo e de serviço; este último inclusive, terá uma balança de pesagem e controle, entre outros.

ADMINISTRATIVO

A segunda etapa, constitui na construção da estrutura administrativa. Nesse espaço serão construídas as dependências da administração, com salas para todos os departamentos da empresa; auditório para reuniões e eventos, refeitório, creche para os filhos das trabalhadoras, estacionamento para a diretoria e funcionários com reservas para PNEs; Estacionamento para motos; e quadra esportiva entre outros. Essa segunda espata do projeto está estimada em cerca de R$ 4 Milhões, totalizando os R$ 11 milhões inicialmente previstos.

Nesse momento as obras estão sendo concentradas na limpeza e retirada do entulho do terreno, construção do muro de cercamento da área e, a instalação da usina CBUQ. Argemiro acredita que até o final da primeira quinzena de junho esta usina já esteja entrando em funcionamento. As demais, serão instaladas paulatinamente devendo entrar em operação em 2022.

Quanto ao início das obras da segunda etapa (administrativo), o presidente acredita que as mesmas deverão ser iniciadas em 2022, mas não precisou a data, pois ainda depende de vários fatore