Diamantino faz aniversário e Governo comemora junto com obras, repasses em dia e ajuda no combate à pandemia

Foto por: Prefeitura de Diamantino

Fundada oito anos depois de Cuiabá, de onde está distante 182 quilômetros no sentido norte, a histórica Diamantino completa 292 anos nesta sexta-feira (18). O Governo do Estado comemora a data ao lado de seus 22.178 habitantes, com obras de restauração e manutenção de rodovias, repasses financeiros em dia e envio de testes rápidos e medicamentos para contribuir no combate à pandemia da Covid-19.

Com a metade do serviço previsto já executado, estão sendo restaurados 51,45 quilômetros da MT-240, entre o entroncamento da BR 364, em Novo Diamantino, e Nova Marilândia, beneficiando diretamente o município aniversariante. Os investimentos somam R$ 18,68 milhões.

Diamantino se beneficia também, ao lado de vários municípios da região, da manutenção de 646,5 quilômetros de rodovias não pavimentadas, executadas via Consórcio de Desenvolvimento Econômico, Social, Ambiental e Turístico “Alto do Rio Paraguai” (Cidesa-ARP). O investimento é de R$ 1,08 milhão.

De janeiro a setembro deste ano, Diamantino recebeu R$ 31,8 milhões em repasses do Governo do Estado referentes a ICMS, IPVA e Fethab, além de outros R$ 8 milhões em assistência social, transporte escolar, convênios na área de saúde e emendas parlamentares entre 2019 e julho deste ano.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) enviou ao município 1.875 testes rápidos para detecção do coronavírus e medicamentos para combate à Covid-19 num total de 80.670 comprimidos, entre azitromicina (9.918), ivermectina (7.935) e dipirona (62.817),também distribuído em gotas, somando 1.543 frascos.

Economia

Décimo terceiro PIB (Produto Interno Bruto) do ranking mato-grossense em 2018 (segundo o IBGE), com R$ 1,957 bilhão, Diamantino tem na agropecuária seu principal componente, com R$ 976,9 milhões (quase a metade do total), seguido pelo setor de serviços, com R$ 535,6 milhões.

O PIB por habitante (per capita), de R$ 91.907,10, é o sétimo do Estado e o 71º do país.

Possui o sexto rebanho suíno de Mato Grosso, com 200,9 mil cabeças, das quais 12.217 são matrizes; rebanho galináceo com 505,8 mil cabeças e bovino com 113.842 animais.

Nos rankings nacional e estadual, Diamantino figura entre os grandes produtores das três principais culturas movimentadoras da balança comercial mato-grossense.

Em 2018, segundo os números do IBGE, foi quinto maior produtor de algodão do país (4º em Mato Grosso), com 227.588 toneladas; nono (sexto no estado) em milho, com 952,8 mil toneladas; e décimo (7º no ranking estadual) em soja, com 1,09 milhão de toneladas. É, ainda o quarto nacional e mato-grossense na produção de girassol, com 6,2 mil toneladas.

Diamantino produz ainda, em escala decrescente, cana-de-açúcar, sorgo, feijão, arroz, mandioca, melancia, banana, coco da baía, tomate, batata doce, maracujá, laranja, palmito, limão e amendoim.

Em sua organização empresarial, segundo o Observatório do Desenvolvimento da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), se destacam um frigorífico, duas distribuidoras de insumos e comercializadora de sementes.

História

Conta-se que em 1728, os bandeirantes chegaram às margens de um pequeno rio, o Diamantino, onde encontraram ouro e diamantes em quantidade. Em pouco tempo, foi formado o Arraial do Ouro do Alto Paraguai.

Dizem também que em 18 de setembro de 1728 foi despachada uma carta para a Câmara Regente de Cuiabá, relatando a descoberta do ouro e começo do arraial, dada como o fato oficial da fundação do Arraial.

Junto com o ouro, estava o diamante, cuja extração era privativa da Coroa Portuguesa. Criou-se um destacamento para inibir o garimpo ilegal, que acabou assegurando a fixação do povoado.

Em 1811, foi criada a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição do Alto Paraguai Diamantino. Nove anos depois, em 1820, passou à Vila de Nossa Senhora da Conceição do Alto Paraguay Diamantino. Somente quase um século depois, em 1918, foi elevada à categoria de cidade, com o nome definitivo Diamantino.

Para ter uma ideia do tamanho do território diamantinense, quando se emancipou politicamente, vários municípios atuais foram seus distritos, como Alto Paraguai. São José do Rio Claro, Brasnorte, Nova Mutum, Tapurah, Lucas do Rio Verde e Campo Novo do Parecis.