Deputado quer a volta do Polo Têxtil em Rondonópolis

O deputado Thiago Silva (MDB) defendeu uma rediscussão do projeto de desenvolvimento de Polo Têxtil em Rondonópolis.

Deputado quer a volta do Polo Têxtil em Rondonópolis

Na década passada, a cidade recebeu investimentos de diversas empresas no setor como a Santana Textiles e TBM, devido a um programa para a vinda de indústrias do setor. No entanto, nos últimos anos, houve uma diminuição de investimentos e grande parte das empresas deixou o município. “O problema é que os investimentos por diversos motivos pararam e o projeto praticamente desapareceu”, disse o parlamentar.

A Santana Textiles chegou a gerar 500 empregos e, por fim , acabou desativando a planta em Rondonópolis. Thiago destacou que pretende aprofundar um estudo de viabilidade do Polo Têxtil no município. “Vamos fazer um diagnostico preciso e buscar uma solução para que a cidade volte a gerar renda e emprego no setor”, resumiu.

O parlamentar cita como exemplo o fato de Mato Grosso ser um grande produtor de algodão, mas tem um parque industrial têxtil pequeno, se comparado ao que o Estado produz.  Ele lembra que ao contrário de Mato Grosso, Santa Catarina não tem uma produção de algodão grande, mas conta com uma indústria do setor forte.  “Estive em Brusque, em Santa Catarina, e vi a força da indústria têxtil deles”, disse.

Thiago ainda reforça que atualmente as condições de infraestrutura atual do município são melhores de que na década passada.  O parlamentar entende que a cidade tem um terminal ferroviário, estrutura de transporte e condições de ensino superior e técnico para a formação de profissionais.

O parlamentar defende que a reforma tributária que está sendo proposta pelo Estado  e que tramita na Assembleia estimule a industrialização do algodão e também garante a geração de mais empregos e renda.

“Na verdade temos uma série de cidades que produzem algodão como Campo Verde, Lucas e Primavera e nós temos Rondonópolis para industrializar a produção, temos que aproveitar o nosso potencial e crescer nesse setor, podemos mudar essa realidade  trabalhar para agregar valor a nossa matéria prima”, disse.