Da Cavalhada ao Cururu: conheça MT em sete manifestações folclóricas

Listamos aqui algumas das mais tradicionais manifestações folclóricas de Mato Grosso que tão bem expressam a forte identidade cultural do Estado

Detran-MT orienta ciclistas para a prática do trânsito com segurança
Foto por: Marcos Vergueiro

Em 1965, o Congresso Nacional oficializou o dia 22 de agosto como sendo o Dia do Folclore Nacional. A data foi criada para valorizar histórias e personagens da cultura brasileira, possibilitando assim a continuidade dos nossos costumes e tradições culturais por gerações.

E quando o assunto é folclore e manifestações culturais, Mato Grosso se destaca. Com uma identidade forte e definida na arquitetura, na música, dança, culinária e no jeito de falar, o Estado, com dimensões continentais, em todas as suas manifestações culturais, apresenta traços muito particulares.

Festejos em Mato Grosso impulsionam diversas manifestações tradicionais populares. Religiosidade, música, danças e culinária mato-grossenses se fundem a influências diversas, de gente que vem de todo canto do Brasil e escolhe Mato Grosso como morada.

Toda essa riqueza cultural faz do folclore mato-grossense uma das principais atrações turísticas do Estado. Por isso, listamos aqui algumas das mais tradicionais manifestações culturais de Mato Grosso. E viva o Minhocão, o Negrinho d’água, o Pé-de-garrafa, a cabeça de pacu…

SIRIRI

Ao lado do cururu, o siriri é uma das manifestações culturais mais importantes de Mato Grosso. É dançado por homens, mulheres e crianças, em roda ou fileiras formadas por pares que se movimentam ao som da viola de cocho, do ganzá e do mocho, mas aqui, a música é muito mais rápida.

Dançado sempre em pares, quanto mais pares, mais bonito e animado fica. Os participantes cantam versos e músicas com temas regionais, vários deles, compostos pela comunidade. Mesmo sendo amplamente acionado em festas de santo – realizados em louvor -, o siriri pode ser atração de qualquer outra festa, como casamentos, batizados, aniversário e carnaval.

Ele também é incorporado à dança do Boi à Serra, um folguedo ainda muito cultuado em Varginha, no município de Santo Antônio de Leverger.  Neste, canta-se uma toada que conta toda a trajetória de vida e morte de um boi, que é capturado por destemidos vaqueiros.

CURURU

Uma das mais expressivas manifestações culturais de Mato Grosso, o cururu é um folguedo popular autêntico, dos mais antigos de Cuiabá, podendo se apresentar como roda de cantoria e dança e que é realizado tanto em festas religiosas, como profanas.

Consiste em, no mínimo, dois cantores, sempre homens, um tocando viola de cocho e o outro o ganzá, ou os dois tocando viola. Mas nem sempre o cururu é cantoria. Há quem o pratique, até os dias atuais, em forma de “porfia”, ou seja, desafio, quando o cantor faz perguntas a um dos companheiros, desafiando seus conhecimentos em algum tema, geralmente bíblico.

Quando curureiros estão reunidos, com suas violas e ganzás – sentados ou de pé, em semicírculos – é possível assistir a um espetáculo que envolve música e dança. Eles começam a dançar eufóricos, com volteios e sapateados fortes, girando em torno de si mesmos e em seguida retornando aos seus lugares. É mesmo surpreendente vê-los no ritmo dos instrumentos, fazendo a marcação com os pés, produzindo um único som.

CAVALHADA

A Cavalhada é um dos mais populares folguedos mato-grossenses. Outrora, arrematava as festas profanas que seguiam às religiosas, como do Espírito Santo e de São Benedito. Divertida festa popular que conservou vestígios das lutas medievais, preservada pelos povoadores de Mato Grosso que imitaram os torneios que o feudalismo desenvolveu.

Em Mato Grosso, a Cavalhada tomou a forma de representação campal da lendária guerra de Tróia, confundida com as Cruzadas – lutas de caráter religioso – caracterizada pelas guerras entre mouros e cristãos.

CONGO E CHORADO

Além da marcante religiosidade, a festança também é caracterizada pelas apresentações de danças do Congo e do Chorado, que surgiram em Vila Bela da Santíssima Trindade a partir da chegada dos Capitães Generais. O Chorado é uma dança apresentada apenas por mulheres.

Com vestimentas coloridas, elas entoam cantos tradicionais africanos e da região enquanto equilibram canjinjin sobre as cabeças. O canjinjin é a bebida mais tradicional feita na cidade. Segundo a tradição, as escravas dançavam para agradar os senhores, para que esses não castigassem duramente os escravos.

A dança do Congo é uma encenação com reis e embaixadores representados por dois reinos, que travam uma luta pelo poder. A dança manifesta ainda a resistência dos negros que ficaram no município mesmo com a transferência da Capital para Cuiabá, além de homenagear santos da região.

DANÇA DOS MASCARADOS

A dança dos Mascarados de Poconé faz parte dos folguedos da Cavalhada desde o século XVIII e presta homenagens ao Senhor Divino, São Benedito e outros santos de festas religiosas. O bando de mascarados que destaca a dança é composto só por homens, sejam eles adultos ou crianças.

Os participantes usam como fantasia, máscaras confeccionadas em tela de arame, com desenho da boca e dos olhos marcantes, roupas de chitão estampado de colorido exuberante, com adornos e miçangas, além de chapéus que levam espelhos e penachos. O próprio dançarino faz sua vestimenta.

FESTRILHA

Realizado há quase duas décadas, o Festrilha começou em Serra Nova Dourada. Além de manter viva uma tradição enraizada nas comunidades, a competição de quadrilhas em municípios diversos movimenta setores importantes para a economia, como o turismo e o comércio. A ideia é manter viva a cultura junina, para que perdure pelas próximas gerações.