Copa do Mundo de 2014 no Brasil está na mira do FBI

em partida de futebol para anões, argentina derrota peru

As investigações sobre casos de corrupção na Fifa se alastram e já envolvem cinco edições da Copa do Mundo: a da França (1998), África do Sul (2010), Brasil (2014), Rússia (2018) e Qatar (2022).

No caso do Brasil, os contratos para o Mundial de 2014 entre a Fifa, parceiros comerciais e fornecedores serão examinados pela Justiça norte-americana. O foco é investigar a relação entre o secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, e Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF e do Comitê Organizador da Copa (COL). Os dois estão na lista de suspeitos de crimes financeiros e fraude no futebol. Há três dias, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, renunciou ao cargo e pediu a organização de novas eleições na entidade.

O FBI está investigando o pagamento de subornos para a escolha de sedes do Mundial e um possível esquema de corrupção para contratos de marketing e direitos televisivos. As denúncias aumentaram nos últimos dias após o depoimento de cartolas que admitiram repasse de verbas para manipular situações e jogos.

Uma delas foi relatada pela Federação Irlandesa de Futebol, segundo a qual a Fifa pagou US$ 5 milhões para encerrar o caso do toque de mão de Thierry Henry que deixou a Irlanda fora da Copa de 2010. Além disso, na quinta-feira (4) a Inglaterra se ofereceu para receber a Copa do Mundo de 2022, caso sejam comprovadas irregularidades na escolha do Qatar como país-sede.

"Temos estrutura para isso e fizemos uma ótima campanha de candidatura que, mesmo que não tenha tido sucesso, serve para sermos uma opção", disse o ministro da Cultura britânico, John Whittingdale.

Desde quando a polícia suíça prendeu cartolas da Fifa a pedido dos EUA, na semana passada, a Bolsa de Doha tem sofrido baixas com a instabilidade sobre a realização do Mundial no país.