Conheça a história do jovem cabeleireiro que resolveu ter seu próprio negócio

“Eu sempre fui ‘empreendedor’, mas eu tinha medo de assumir a responsabilidade de ter meu próprio negócio”, disse Vinícius Corrêa.

Leandro e Vinícius



O início de uma carreira em qualquer segmento tem altos e baixos, em alguns momentos a vontade é de desistir, mas ao mesmo tempo muitas ideias passam pela cabeça, o que fazer quando isso acontece?

O cabeleireiro Vinícius Miguel da Costa Corrêa (28), conta que para ele faltava maturidade, com experiência e trabalhos em diferentes salões na capital cuiabana, o profissional sabia o que ele queria, porém, não sabia como começar.

“Assim como muitos profissionais, eu passei por vários salões e fui auxiliar de ótimos profissionais, só que quando a gente não tem maturidade suficiente o que vem a nossa cabeça é que estamos sendo explorados, ou que trabalhamos demais, eu não me dava conta que a situação era confortável para mim, quanto precisamos investir para frequentar um bom curso? Ou, ter acesso a espaços bem frequentados, quando eu comecei a enxergar esse ponto positivo, as coisas começaram a acontecer”, conta Vinícius.

Hoje o cabeleireiro comemora o seu primeiro empreendimento, uma sociedade que veio na hora certa, logo depois que conheceu o seu parceiro, Leandro Marcelo Defrain (34). A habilidade em administrar e organizar a parte burocrática do negócio era o “bicho de sete cabeças” que o cabeleireiro temia. “Eu sou péssimo com papéis, confesso, o Leandro é habilidoso, organizado e entende da parte administrativa, era disso que eu precisava, porque eu necessito de tempo com as minhas clientes, estar bem para atendê-las, claro que fico ciente de tudo, mas essa tranquilidade me ajuda muito, o meu tempo é para minha carreira”, ressaltou.

O salão conta com diferentes serviços. “Ninguém faz nada sozinho, aqui em nosso espaço as nossas clientes têm a tranquilidade de encontrar atendimentos estéticos, manicure e pedicure, enfim, acredito que temos muitas oportunidades boas pela frente, precisamos nos adequar ao mercado, mas o mais importante já conseguimos, o primeiro passo foi dado e somos parte de um segmento promissor”, destacou o profissional.

Érika Regina (professora e técnica em coloração) e Vinícius