Confiança cresce em 12 de 13 ramos do comércio

diário oficial da união publica decreto com o novo salário mínimo de r$ 937

O otimismo do comerciante melhorou em agosto. Influenciado pela forma como os empresários passaram a enxergar a situação atual e o que eles esperam para o futuro, o indicador da Fundação Getulio Vargas (FGV) avançou 7,2 pontos frente a julho.

Segundo a entidade, com esse desempenho, oÍndice de Confiança do Comérciosubiu de 74,9 pontos para 82,1. Semelhante a um termômetro, quanto maior esses números, mais confiante o comerciante está em seu negócio e na economia do País.

Para chegar ao número final desse indicador, a FGV faz uma ponderação entre o resultado de outras duas pesquisas. O Índice de Situação Atual do Comércio aumentou 5,9 pontos; já o Índice de Expectativas, 8,2.




“O resultado de agosto consolida a tendência de alta da confiança do comércio em 2016, com alguma melhora na percepção sobre o ambiente atual dos negócios”, observou Aloisio Campelo Jr., Superintendente de Produção de Bens Públicos da FGV.

Confiança disseminada no comércio

A pesquisa deste mês mostra ainda que o aumento da confiança está disseminado entre os diversos ramos do comércio – de 13 segmentos pesquisados, 12 foram apresentaram avanços.

Quando se observa o indicador da situação atual, a melhora ocorreu em oito dos 13 ramos; no indicador de expectativas, todos os 13 segmentos apresentaram crescimento da confiança.

Para a edição de agosto de 2016, a FGV coletou informações de 1.208 empresas entre os dias 1º e 23 deste mês. A próxima divulgação da Sondagem do Comércio ocorrerá em 30 de setembro.