Concurso prevê seleção de dez fiscais do meio ambiente para zelarem pelo patrimônio ambiental

Foto: Drone Roo

Pensando em intensificar a vigilância e a proteção às árvores do município e a todo o seu patrimônio ambiental, a Prefeitura de Rondonópolis vai selecionar, por meio do concurso público divulgado pelo edital número 001/2019 de 22 de julho de 2019, publicado no Diorondon nº 4.494, dez fiscais de meio ambiente, sendo nove vagas destinadas a ampla concorrência e uma para pessoa com deficiência. As provas estão marcadas para ocorrer no dia 29 de setembro.

Fiscalizar todo tipo de irregularidade ambiental que porventura venha a ser praticada no município de Rondonópolis, mais especificamente no perímetro urbano. Essa é a atribuição dos fiscais de meio ambiente, segundo o secretário da Pasta, João Fernando Copetti Bohrer.

Assim, entre as responsabilidades desses profissionais está vigiar e coibir práticas que prejudiquem a vitalidade das árvores no município, como cortes ou podas indevidas ou feitas de maneira irregular, além de derrubadas de espécies plantadas.

Reverência às árvores

Comemorado no dia 21 de setembro, o Dia da Árvore já está sendo lembrado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente em parceria com o Juizado Volante Ambiental (Juvam) com uma série de atividades, como criação de pomar com plantio de mudas e sementes de árvores frutíferas e palestras para estimular a consciência ambiental em escolas municipais e estaduais. Já foram contempladas a Escola Municipal Cpac São José, Escola Estadual Stela Maris e a Escola Municipal Firmício Alves Barreto.

Já na data específica do Dia da Árvore, que será celebrada amanhã, as ações vão acontecer na Vila Boa Esperança que, além de ser agraciada com plantio de mudas de ipês e árvores frutíferas, também vai receber o mutirão do World Cleanup Day, o Dia Mundial da Limpeza, que une sociedade civil organizada e entidades públicas em uma mobilização mundial em bairros, praças, ruas, rios, terrenos e qualquer local das diversas cidade do planeta que precisem da união de forças para a retirada do lixo acumulado.

Copetti ressalta que, neste período, a estiagem dificulta o crescimento das mudas, que demandam muita água, tendo que ser regadas com uma frequência maior durante 45 dias para que vinguem com saúde. Por isso, este não é o momento propício para se plantar em canteiros e praças. Assim, o plantio foi levado apenas para as escolas durante esta ação. “Essas plantas jovens precisam de hidratação para terem sucesso. Então, plantar pode, desde que essa necessidade seja atendida”, explica o secretário.