Com lançamento e venda de imóveis em queda, estoque chega a 99 mil unidades

crise econômica pode trazer oportunidades de investimento, avalia especialista

O mercado imobiliário brasileiro acompanha o desaquecimento econômico do País e apresenta uma redução nos lançamentos e nas vendas de imóveis.

O Brasil tem um estoque de 99 mil imóveis, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (19) pela Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias), em parceria com a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

O levantamento mostra que, neste ano, foram lançados em todo o País 26,5 mil unidades, uma queda de 20% na comparação com o mesmo período de 2014.

Já as vendas, neste mesmo período, alcançaram 51,7 mil unidades, o que representa uma queda de 14% em relação ao ano passado.

Segundo o economista da Fipe Eduardo Zylberstajn, responsável pelo estudo, esses dados já mostram que as incorporadoras estão lançando menos do que estão vendendo, o que demonstra que o setor está fazendo um ajuste não somente no preço dos imóveis.

Zylberstajn explica que seria estranho mostrar vendas e lançamentos em alta, pois não batem com a situação do País.

— Quando a confiança, tanto do consumidor como do empresário, está em baixa, há uma retração na demanda e um ajuste na oferta. No cenário de maior incerteza, há uma posição de cautela.

O vice-presidente executivo da Abrainc, Renato Ventura, afirmou que a queda dos lançamentos já está acontecendo há mais de um ano e que as incorporadoras têm feito esse ajuste como adaptação, para enfrentar o momento mais difícil.

— Por outro lado, as vendas mostram uma resiliência maior. Há uma demanda que continua a existir. Vemos continuidade na demanda e ajustes no setor feitos com os lançamentos.

Outro dado apresentado no estudo da Abrainc/Fipe foram as entregas de imóveis, que refletem os imóveis lançados há cerca de três anos. Neste ano, foram entregues 62,1 mil imóveis, o que representa uma queda de 11% em relação ao ano passado.

Estoque

O levantamento mostra ainda que o País tem um estoque de 99 mil unidades disponíveis no mercado. Segundo a Fipe, se for mantido o ritmo de vendas do último trimestre, seriam necessários 13,2 meses para comercializar toda essa oferta. Já no mesmo período do ano passado, seriam necessários 11,8 meses para vender o estoque existente.