Classe produtora deve ficar de olho nas previsões meteorológicas nos próximos quatros meses, alerta especialista em evento

Classe produtora deve ficar de olho nas previsões meteorológicas nos próximos quatros meses, alerta especialista em evento
Marco Antonio dos Santos falou sobre fatores climáticos

A produção da safra 19/20 de soja dependerá da atenção que a classe produtora dará para os próximos quatros meses às previsões meteorológicas. Esse cuidado ajudará na tomada de decisão sobre o dia de plantar, de cuidar e colher o grão. Além disso, informações eficientes sobre o clima poderão contribuir para a rentabilidade do negócio.

“Sugiro total atenção ao clima nos Estados Unidos, pois esse ano será de um mercado climático extremamente ativo, o que poderá dar boas oportunidades de negócio aqui no Brasil. E em segundo nas previsões para o início da safra 2019/20, já que os modelos começam a sinalizar uma nova tendência das chuvas se regularizarem mais tarde nesse começo de safra. Com isso, se não tiverem atentos no momento do plantio, poderão perder áreas plantadas e dinheiro”, alertou Marco Antonio dos Santos, agrometeorologista para mais de 300 pessoas que participam do XIX Encontro Técnico Soja Fundação MT que acontece em Cuiabá/MT.

De acordo com o especialista as interpretações das tendências climáticas são um dos fatores que podem limitar ou contribuir para a hora certa de semear, de fazer as aplicações necessárias de defensivos agrícolas, de aplicar os dessecantes para a colheita, bem como colher no momento correto. “Produtor que quer ter rentabilidade e sustentabilidade do seu negócio tem que inclusive saber como está o clima nas outras regiões produtoras, assim ele poderá saber se haverá quebras ou não na safra e com isso, poderá se posicionar melhor nas negociações de venda do seu produto”.

Na palestra intitulada “Safra18/19 – fatores climáticos que levaram a redução de produtividade”, Marco Antonio falou sobre os principais fatores limitantes da produção da soja da safra 18/19. Segundo ele na safra passada tiveram vários fatores. Mas o que mais afetou a safra de soja em Mato Grosso foram os baixos índices de radiação solar ao longo do mês de novembro e as altíssimas temperaturas, em especial as temperaturas noturnas que ficaram bem acima da média ao longo de toda a safra. Outro fator foi a baixa disponibilidade hídrica no mês de janeiro. “Essa safra não foi tão ruim como pregavam com relação ao clima. O El Niño não chegou afetar de fato a produção de soja. O que realmente afetou foram as fortes oscilações das temperaturas das águas equatoriana da região leste do Oceano Pacífico.”

Evento – O XIX Encontro Técnico é realizado pela Fundação MT e parceiros. Na pauta discussões sobre o panorama da safra 18/19 e recomendações técnicas para o planejamento da próxima safra. É um evento voltado para engenheiros agrônomos, técnicos agrícolas, produtores rurais, pesquisadores e especialistas. Essa edição está sendo realizada desde terça de noite e seguirá até sexta-feira no hotel Gran Odara em Cuiabá/MT.