Chuva à vista para o Mato Grosso do Sul

Pixabay/Ilustrativa

O estado de Mato Grosso do Sul sente os efeitos do calor extremo e da falta de chuva há vários meses, como ocorre por quase todo o Centro-Oeste. Foi decretado “estado de emergência” por causa da enorme quantidade de incêndios espalhados por todas as regiões do estado.

Com o solo, o ar e a vegetação muito secos, o descuido humano e o aumento das queimadas nesta época que antecede o plantio da safra de verão, os incêndios se alastram e saem fora de controle facilmente.

Pelo monitoramento de queimadas do INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – o estado de Mato Grosso do Sul tinha mais de 7600 focos de fogo no ano de 2020, até 14 de setembro e já era o segundo maior desde 2008.

O parque estadual das Nascentes do Rio Taquari, na região de Costa Rica, é a mais recente reserva florestal que está em chamas no Centro-Oeste do Brasil.

Andressa Biata, pecuarista na região, informou à Climatempo que ” o cheiro da fumaça na fazenda, o calor e o ar seco estão cada vez piores, difícil de respirar. O fogo já entrou em fazendas, currais, plantações, sede, máquinas. Estamos literalmente cercados pelo fogo e o maior deles tomou o Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari, que fica entre os municípios de Alcinópolis e Costa Rica, ao norte de Mato Grosso do Sul”.

As imagens abaixo foram feitas no dia 13/9/2020 pelo prefeito de Costa Rica, Waldeli dos Santos Rosa.

Um pouco de chuva para o MS

Pelo monitoramento de queimadas do INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – o estado de Mato Grosso do Sul tinha mais de 7600 focos de fogo no ano de 2020, até 14 de setembro e já era o segundo maior desde 2008.

A boa notícia é que tem expectativa de um pouco de chuva para o fim desta semana. Isto não significa que esta chuva vai conseguir apagar os incêndios florestais de todas as regiões de Mato Grosso do Sul, mas deve reduzir a fumaça e o calorão em alguns locais.

Até a quarta-feira, 16 de setembro, é o calor intenso e o ar seco que predominam em Mato Grosso do Sul. Mas na quinta-feira, 17, alguns locais na fronteira com o Paraguai podem ter pancadas de chuva.

Mas é no sábado, 19 de setembro, que áreas de instabilidade devem se desenvolver em diversas área de Mato Grosso do Sul provocando pancadas de chuva em várias regiões do estado. Porém, a região com menor chance de chuva é justamente o norte de Mato Grosso do Sul. A possibilidade de chuva no Parque Estadual das Nascente do Rio Taquari não é muito grande.

Há expectativa de mais áreas de chuva na próxima semana sobre o Mato Grosso do Sul.

A primavera começa oficialmente no dia 22 de setembro, às 10h31, pelo horário de Brasília.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.