Catálogo vai divulgar obras de arte pela internet

A norma tem o objetivo de preservar e divulgar o acervo artístico mato-grossense de maneira acessível e didática

Angelo Varela/ALMT

Agora é lei. Das galerias e espaços públicos e privados para o mundo. Essa é a intenção de uma lei estadual sancionada recentemente para divulgar na internet as obras de artistas plásticos locais. A Lei nº 10.943/2019 (Veja a íntegra aqui) obriga o estado a criar o catálogo de arte e cultura de Mato Grosso.

Sancionada pelo governador Mauro Mendes (DEM), a norma é de autoria do ex-deputado e atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT) Guilherme Maluf e tem o objetivo de preservar e divulgar o acervo artístico mato-grossense de maneira acessível e didática.

“O catálogo vai preservar e divulgar o acervo artístico mato-grossense e será um banco de dados digital que aproximará, de forma democrática, a população dos artistas e profissionais de arte e cultura do estado de Mato Grosso”, diz trecho da justificativa da lei, de autoria do atual conselheiro do TCE.

De acordo com a regra, o conteúdo do catálogo deve ser disponibilizado preferencialmente na internet. Ele deve conter informações pessoais e comerciais do artista, profissional de arte ou de cultura, o currículo do autor da obra e ainda o portfólio com imagens do seu trabalho, devidamente catalogadas.

O secretário estadual de Cultura, Esporte e Lazer, Allan Kardec Pinto Acosta, afirmou que a lei é importante porque valoriza as artes visuais de Mato Grosso e contribui, ainda, para a catalogação e exposição desse acervo. Na pinacoteca da Secel, de acordo com o Kardec, existem cerca de 500 obras.

“Em breve será feito um levantamento detalhado e a restauração das obras. Isso será executado por meio de edital público. O documento já foi construído e agora está na fase de análise de orçamentos para referência. A intenção é fazer um estudo para saber quantas obras o estado possui e quantas precisam ser restauradas”, afirmou Kardec.

Na Assembleia Legislativa, em 2007, foi criada a pinacoteca que leva o nome da artista plástica Dalva de Barros. Hoje, o acervo é composto por 81 telas e está sob a responsabilidade do Instituto Memória do Poder Legislativo. Elas são de autoria de 52 artistas plásticos mato-grossenses.

O acervo artístico está distribuído em diversos setores da Casa de Leis: gabinetes parlamentares e secretarias. A maioria das telas foi doada e faz parte do patrimônio do Legislativo estadual. As pinturas estão expostas à população que visita o Parlamento.

De acordo com Dalva de Barros, a lei é importante porque amplia a divulgação das obras plásticas dos artistas mato-grossenses além dos limites das galerias, e por isso podem ser vistas e admiradas em qualquer lugar do mundo. “As obras não ficarão restritas às galerias e aos espaços destinados a exposições das telas. É uma forma democrática de os artistas levarem suas obras a todos os povos”, disse. Dalva de Barros nasceu em 1935, em Cuiabá. Além de artista plástica, foi professora em escolas rurais no interior de Mato Grosso e, quando fixou a residência na capital, ensinava arte plástica em espaços públicos.

Na Assembleia Legislativa, as telas, que estão expostas nos gabinetes e secretarias, podem ser vistas pelo público interno (servidores e colaboradores) e público externo quando em visita a estes locais. As obras de artes são emprestadas e, ao final de cada legislatura, devolvidas para o IMPL.

No dia a dia, um dos locais na Casa de Leis onde os artistas têm a oportunidade de expor suas obras é o salão de entrada da Presidência, denominado Deputado Francisco Pinto de Oliveira, mais conhecido como Salão Negro. No local, há um painel onde são apresentadas telas de artistas regionais. Elas ficam expostas por um período de três a quatro meses.

Outro espaço colocado à disposição dos artistas plásticos para exporem suas telas é o saguão principal da ALMT. No local, as telas ficam geralmente até uma semana para visitação dos admiradores da pintura regional. No saguão, a população pode ter acesso a obras de arte, pinturas e quadros.

No estado, de acordo com Allan Kardec, as obras estão expostas em locais como a Galeria Lava Pés de Artes Visuais. Outro local que abriga as pinturas é o Museu Histórico, que está em processo de reforma. O público pode conferir ainda as obras no Palácio da Instrução. “Essa é uma das formas de o povo ter acesso às artes visuais”, disse o secretário.

Para 2020, segundo Kardec, a Secretaria de Cultura fará uma exposição de todo o acervo que possui. Embora sem data marcada, isso deve acontecer no primeiro semestre do próximo ano.

“A intenção é colocar as obras à disposição das pessoas que gostam de apreciar as artes plásticas. Estamos trabalhando para inseri-las no Mapa Cultural – plataforma de informações digitais – que já existia na secretaria. Foi retirado do ar, mas estamos trabalhando para retorná-lo novamente”, explicou o secretário.

Pinacoteca

Pinacoteca é uma galeria ou um museu de pintura. A pinacoteca, por conseguinte, é um espaço destinado à exposição de obras artísticas de caráter pictórico. Também pode incluir outro tipo de obras, como esculturas, embora a maior parte da coleção deva corresponder às pinturas.