Carlos Bispo líder rural é pré-candidato a vereador em Rondonópolis


O agricultor familiar Carlos Bispo, 42, é mais uma boa opção para a Câmara de Vereadores de Rondonópolis. Bispo é casado há 18 anos com Viviane Aparecida Viana Bispo, pai de duas filhas (Ana Carla Viana Bispo e Ana Beatriz Viana Bispo).

O pré-candidato é uma das grandes lideranças do meio rural de Rondonópolis. O produtor é presidente da Associação de Moradores do Vale do Berigue. A região localizada próxima a Gleba Cascata e Assentamento Primavera é hoje referência na produção de farinha, banana, milho, hortaliças, pecuária de corte e de leite. “Nós temos mais de 300 famílias tirando sustento da terra. Graças a Deus, nosso esforço por melhorias nas estradas e pontes tem refletido na expansão de nossa região. Homem do campo, precisa de estrutura para produzir. Está é uma de nossas bandeiras”, conta.

Engajado nas lutas por melhorias no setor rural, Carlos milita desde 2000 na política. É filiado ao MDB desde 2003. “Resolvi entrar no processo eleitoral por incentivo do deputado estadual Thiago Silva. Ele sempre trabalhou para os pequenos produtores e tem uma grande visão política e me convenceu que posso fazer muito mais pela sociedade na Câmara de Vereadores. Nosso projeto cresceu e muito. Temos apoio de muitas lideranças cansadas de falsas promessas”.

A liderança do meio rural traz em sua cartilha de compromissos, com o cidadão ampliação de convênios com a Empaer, Embrapa, Senar, Secretaria Municipal de Agricultura e Secretaria de Estado de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários. “Também vamos lutar pela ampliação da rede elétrica, junto a Energisa. Hoje o atendimento é precário. Estamos focados também nos projetos de asfalto de rodovias estaduais que cortam os principais assentamentos rurais de Rondonópolis. O asfalto representa velocidade de escoamento, que lá na frente se converte em mais renda para o produtor e consequentemente mais empregos”, explica.

Outra preocupação é com assistência na saúde e educação do homem do campo. ”São dois problemas frequentes. Precisamos de postos de saúde que fiquem abertos. Defendo que os técnicos de enfermagem sejam da região atendida e que as consultas médicas ocorram no mínimo duas vezes por mês. Com relação a educação, nossa luta será pela viabilidade de convênios com UFR, Unemat, IFMT e Sitema S. Dessa forma as comunidades rurais viabilizariam a estrutura física e pedagógica de ensino e as instituições disponibilizariam os educadores. Assim nossos filhos não precisariam sair do campo para estudar na cidade. Esse projeto é prioridade, já temos algumas conversas”, completa.