Cadeirante é preso suspeito de matar traficante e esconder o corpo em MT em 2018

Polícia Civil e Sefaz realizam operação contra sonegação no comércio de bebidas quentes



Um cadeirante foi preso nessa quinta-feira (8) suspeito de assassinar um traficante, no Bairro Morada Nova, em Confresa, a 1.160 km de Cuiabá, no dia 18 de abril de 2018.

Segundo denúncias, os suspeitos ocultaram o corpo da vítima na casa do suspeito, Eduardo Ferreira, que possui diversas passagens criminais.

À época, os policiais constataram vestígios de sangue, mas não localizaram o corpo da vítima. A Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) foi ao local e realizou a coleta do sangue para posteriores providências.

Dois dias depois, no dia 20 de abril, os investigadores receberam a informação da localização de um cadáver enrolado em um colchão, em estado de decomposição, no Bairro Morada Nova, a aproximadamente 400 metros da casa do suspeito. Os policiais foram até o local, onde encontraram um cadáver do sexo masculino, porém até aquele momento sem identificação.

O corpo da vítima foi encaminhado para exame de necrópsia, sendo constatadas perfurações de faca além de lesões no crânio. Posteriormente, a vítima foi identificada como Diego Sousa da Silva.

Durante as Investigações, os policiais civis descobriram que o crime ocorreu porque a vítima teria furtado um aparelho celular do suspeito, que mesmo sendo cadeirante, contou com a ajuda de outros acusados para assassinar a vítima e ocultar o corpo.

Após o crime, Eduardo fugiu da cidade. Os policiais civis conseguiram identificar os criminosos e concluíram que Eduardo foi o executor do crime. Diante disso, foi feita a representação pela prisão preventiva dos envolvidos que foi acatada e deferida pela Justiça.

Os policiais civis descobriram que o suspeito estava morando no Vilarejo de Vila da Paz, em Vila Rica, a aproximadamente 150 km de Confresa. Com base no levantamento, os policiais foram até o vilarejo e prenderam o foragido

Os outros envolvidos no crime já haviam sido presos anteriormente. Após o interrogatório, Eduardo foi encaminhado para a Cadeia Pública de Porto Alegre do Norte, onde permanecerá à disposição da Justiça.