Brasil não tem nenhum caso suspeito de coronavírus, afirma Ministério da Saúde

Segundo a pasta, caso registrado em Minas Gerais não se enquadra na definição de caso suspeito da Organização Mundial da Saúde

Foto: EBC



O Ministério da Saúde informou, nesta quarta-feira (22), que o Brasil não registra, até o momento, nenhum caso suspeito de pneumonia indeterminada surgida na China, causada pelo coronavírus.

De acordo com a pasta, o caso registrado pela Secretaria de Saúde de Minas Gerais (MG) não se enquadra na definição de caso suspeito da Organização Mundial da Saúde (OMS), tendo em vista que o paciente esteve em Xangai (China), onde não há, até o momento, transmissão ativa do vírus. De acordo com a definição atual da OMS, só há transmissão ativa do vírus na província chinesa de Whuan.

O Ministério tem realizado monitoramento diário da situação junto à OMS, que acompanha o assunto desde as primeiras notificações de casos, em 31 de dezembro de 2019.

Confira as ações que o Governo Federal adotou para o monitoramento e o aprimoramento da capacidade de atuação do país diante do episódio ocorrido na China:

  • adoção das medidas recomendadas pela OMS;
  • notificação da área de Portos, Aeroportos e Fronteiras da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa);
  • notificação da área de Vigilância Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa);
  • notificação às Secretarias de Saúde dos Estados e Municípios, demais Secretarias do Ministério da Saúde e demais órgãos federais com base em dados oficiais, evitando medidas restritivas e desproporcionais em relação aos riscos para a saúde e trânsito de pessoas, bens e mercadorias.

Embora a causa da doença e do mecanismo de transmissão sejam desconhecidos, no Brasil, o Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de infecções respiratórias agudas. Entre as orientações estão: evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas; realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente; evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.

Com informações do Ministério da Saúde