Botelho reforça ao governo implantação de políticas públicas de combate às queimadas

Indicação foi aprovada em Plenário na quarta-feira (23) e encaminhada ao Palácio Paiaguás

A sessão plenária de quarta-feira (23) foi marcada pela aprovação da indicação que pede ao governo do estado a inserção de políticas públicas de combate e controle das queimadas em Mato Grosso. O documento também será encaminhado à Casa Civil e às Secretarias de Meio Ambiente, de Desenvolvimento Econômico, de Infraestrutura e Logística e a Adjunta de Comunicação.

De autoria do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), a iniciativa contribuirá para a preservação do meio ambiente, evitando queimadas de grandes proporções, a exemplo do que acontece no Pantanal mato-grossense, onde inúmeros focos de queimada que já causaram danos irreparáveis à fauna e à flora. Botelho percorreu trechos do Pantanal no último fim de semana e constatou os prejuízos causados pelos incêndios na região.

Ele também solicitou, por meio de indicação, campanhas publicitárias para conscientizar a população sobre os cuidados necessários com o meio ambiente, principalmente no período de estiagem.

Na indicação, Botelho destaca as mudanças climáticas em decorrência do aquecimento global, fenômeno que vem aumentando a temperatura do planeta Terra, com alterações drásticas no equilíbrio do ecossistema.

Ressalta que o maior questionamento que se tem com relação a este problema é se a espécie humana e o meio ambiente se adaptarão às mudanças. E reconhece os avanços no desenvolvimento intelectual e tecnológico jamais antes alcançados, mas que trazem resultados preocupantes com relação à preservação do meio ambiente.

O parlamentar defende estudos sobre as consequências das queimadas no bioma mato-grossense, não só com relação à emissão de CO2 e o aquecimento global, mas também com relação às alterações do período chuvoso, da flora e da fauna, que dependem do equilíbrio ambiental. Dessa forma, afirma Botelho, surge a necessidade da adoção de condutas capazes de amenizar e/ou resolver o problema com a inserção de políticas públicas, tendo em vista a capacidade do Estado em mobilizar recursos e pessoas e fazer o planejamento necessário para colocá-las em prática.

Para ele, deve haver a preocupação não só com a complexidade que envolve a elaboração e execução das políticas públicas, mas também com o fato de elas atenderem aos anseios da sociedade, atentando-se para o tipo de intervenção do Estado na realidade social e seus impactos, bem como os benefícios.

“Neste sentido, a presente indicação serve para nortear o poder público a adotar políticas públicas relacionadas ao controle das queimadas no estado de Mato Grosso”, explicou Botelho.