Botelho apresenta Programa Jovem Empreendedor Rural

Comissão de Agropecuária, Desenvolvimento Florestal e Agrário e de Regularização Fundiária analisará a proposta


Jovens mato-grossenses poderão contar com um importante instrumento para ingressarem no mercado de trabalho. Trata-se do projeto de lei 463/20, que institui o Programa Estadual Jovem Empreendedor Rural, de autoria do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), que está sob análise da Comissão de Agropecuária, Desenvolvimento Florestal e Agrário e de Regularização Fundiária.

Se aprovado, o programa beneficiará jovens empreendedores, de 16 a 21 anos de idade, que atuem no meio rural e que possuam baixa renda familiar.

Botelho destaca a importância do projeto, que tem como princípios, dentre outras ações, a elevação da escolaridade do jovem empreendedor rural; a capacitação e formação na área tecnológica e o desenvolvimento sustentável, bem como acesso ao crédito rural específico.

Também visa estimular esses jovens a identificar oportunidades de desenvolvimento profissional; potencializar a produção através de assistência técnica e de acesso ao crédito; elaboração de projetos; fomentar a gestão empresarial agrícola, promovendo o cooperativismo, o uso de técnicas produtivas, a expansão e a comercialização.

Dessa forma, Botelho propõe que o governo do estado apoie o programa através da educação empreendedora, nas escolas rurais, escolas técnicas e universidades; capacitação técnica; acesso à linhas de crédito e difusão de tecnologias no meio rural.

O parlamentar destaca a pujante produção agropecuária de Mato Grosso, mas alerta a necessidade de programas que oportunizem os jovens ao mercado de trabalho. Cita dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE que revela 10% de redução do número de jovens que residem na zona rural do país, em apenas uma década.

“Devemos lembrar que a população urbana depende da produção do meio rural. Assim, é de suma importância criar condições e oportunidades para o jovem permanecer no campo. Isso é possível por meio do ensino e do uso das diversas inovações trazidas com as tecnologias de informação e comunicação na última década”, explica o deputado, que faz defesa de investimentos à agricultura familiar, setor que pode ser um próspero negócio, com a aplicação do conhecimento de técnicas simples e de baixo custo, como irrigação, correção e conservação do solo.

“Queremos capacitar os jovens para que sejam líderes empreendedores, estimulando o cooperativismo e tenham acesso ao crédito orientado, para que possam transformar pequenas propriedades familiares em unidades produtivas e competitivas”, defendeu.