Bancos começam a enviar dados para Cadastro Positivo nesta semana

Com a implantação, todos os brasileiros que possuem operações de crédito e contas de consumo passam a fazer parte de forma automática do banco de dados

Começou nesta segunda-feira (11) a fase de implementação do Cadastro Positivo em todo o Brasil. Nos próximos dias, os cinco principais bancos do país e aproximadamente 100 instituições financeiras compartilharão com os gestores do sistema o histórico de pagamentos dos consumidores.

Com a implantação do Cadastro Positivo, todos os brasileiros que possuem operações de crédito e contas de consumo passam a fazer parte de forma automática do banco de dados, sem necessidade de inscrição. Para realizar a exclusão do nome no cadastro, cada cliente precisa solicitar formalmente.

“Para nós como CDL é algo muito positivo, que leva em consideração o histórico de anos das pessoas pagadoras. Isso torna a negociação mais justa para ela e a separa dos clientes acostumados à inadimplência. Nos últimos anos, muitos consumidores deixaram de pagar suas dívidas por algum imprevisto ou problema pontual e isso prejudicava todo o seu chamado score. Agora não mais”, analisa o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Rondonópolis (CDL), Thiago Sperança. “Outras vezes, até por descumprimento contratual ou falha da própria loja, o cliente acabava com o nome sujo”, explica.

O envio das primeiras informações começou no dia 11 deste mês e a expectativa é de que até o dia 19 todos os atuais clientes das principais instituições financeiras do país que possuem operações de crédito estejam com o seu Cadastro Positivo aberto. Cada consumidor será avisado individualmente sobre abertura do seu Cadastro Positivo e assim que as instituições financeiras enviarem as informações cadastrais e de pagamento, o cliente receberá uma comunicação individual, seja por meio de e-mail, SMS ou correspondência física em sua residência, no prazo de 30 dias, avisando sobre a inclusão de suas informações.

Essas informações só poderão ser acessadas pelos consumidores após o recebimento da notificação individual. As informações coletadas pelo Cadastro Positivo serão utilizadas exclusivamente para compor o histórico de crédito e o score (nota de crédito) do cadastrado.

A expectativa do mercado é que, com uma análise mais completa a respeito dos consumidores, haverá tanto um aumento na oferta de crédito, impulsionando as vendas no varejo, quanto uma redução dos índices de inadimplência. Além disso, com acesso às informações de consumidores de todo o Brasil, bancos de menor porte, cooperativas de crédito, varejistas e fintechs poderão concorrer de forma mais igualitária com as grandes instituições financeiras, o que tenderá a forçar uma redução de juros via competição.

Para o presidente, cabe ainda às instituições financeiras, além do envio dos dados, detalhar as mudanças que o Cadastro Positivo trará aos clientes e o interesse de cada uma em levar em conta o histórico de cada consumidor na hora de fechar uma negociação.

“Neste ponto específico, por enquanto não estou vendo nada por parte das instituições. Tive algumas conversas com diretores de banco e ainda não sinto clareza sobre a alteração nas plataformas de aprovação de cadastro com base no Cadastro Positivo. Isso é o que me preocupa um pouco”, diz.

“Se para nós é algo positivo, seja como empresário ou consumidor, cabe agora uma resposta dos bancos. Penso que seja essa até uma questão para a nossa Câmara Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), que possa nos ajudar a tornar mais clara a visão das instituições que fornecem o crédito no país. Nós precisamos e queremos ouvir a opinião de cada um”, completa.