Autorização da família é importante para diminuir a lista de espera e salvar vidas

autorização da família é importante para diminuir a lista de espera e salvar vidas

Órgãos como o coração, ossos, pele, córnea, pulmão, pâncreas, fígado e rins podem ser doados, desde que a família da pessoa que morreu autorize. Esta é a única forma no Brasil de se conseguir a doação, pois é um processo que precisa ser consentido. Quando a pessoa manifesta o desejo de ser doador, isso facilita a decisão da família, que, na maioria das vezes, acaba respeitando a vontade do seu parente.

Mas no Brasil ainda é muito alto o índice de rejeição por parte da família, 43%, e isso tem dificultado o atendimento da demanda de pacientes que precisam de doação de órgãos. A doação e os transplantes são serviços realizados 99% pelo Sistema Único de Saúde (SUS), sem custo algum para o doador e para o receptor do órgão doado.

Em Mato Grosso, de janeiro a setembro de 2017, foram recebidas 29 doações de córnea; 70 córneas disponibilizadas; foram realizados 125 transplantes, e existem 240 pacientes à espera de doações de órgãos. Esses dados são da Coordenadoria de Transplantes da Secretaria de Estado de Saúde (SES). Os pacientes esperam pela doação em uma lista nacional.

De acordo com a coordenadora, Fabiana Molina, o Estado realiza transplantes de córneas na capital. Em relação aos casos em que o paciente necessita de outros órgãos, eles são encaminhados para outros Estados onde existe o serviço pelo SUS. A remoção, inclusive, é por conta do próprio SUS por meio do programa de TFD (Tratamento Fora de Domicílio).

A transferência do paciente que vai receber o órgão doado somente ocorre depois que são realizados os exames para analisar a compatibilidade entre o paciente e o órgão doado. Pelo protocolo de transplantes no Brasil, para cada órgão doado deverão ser examinados três receptores. Esse procedimento é padrão e deve ser seguido por todos os hospitais e clínicas do país. Dos três pacientes selecionados, na lista nacional, um deverá ser contemplado com o órgão doado.

A Coordenadoria de Transplantes da Secretaria de Estado de Saúde promove palestras de orientação sobre o procedimento padrão de captação de doação de órgãos e de transplantes no País, já que o procedimento é normatizado pelo Ministério da Saúde e é padrão no território nacional.

Para explicar como funciona o processo, uma das palestras foi realizada na própria SES pela coordenadora Fabiana Molina e dirigida aos servidores da saúde. “Nosso objetivo é promover a conscientização e a sensibilização também de pessoas que trabalham com a saúde pública, para que esses profissionais sejam multiplicadores desse processo de mobilização social em torno do assunto e para que, quem sabe, venham a ser futuros doadores”, enfatizou Molina.

Outra forma de chamar a atenção da sociedade para a importância do tema foi à mobilização de setores da classe empresarial e do governo no sentido de iluminar com a cor verde locais de grande visibilidade, como fachadas de prédios comerciais e torre de emissora de TV. “Essa ação da Coordenação de Transplantes foi bastante positiva e bem recebida pelos empresários e instituições públicas, sendo aderida pelo Governo do Estado, que iluminou a Praça das Bandeiras; pela Assembleia Legislativa que iluminou a fachada do prédio; a Televisão Centro América, cuja torre foi iluminada durante todo o mês de setembro; e o Hospital de Olhos e Banco de Olhos de Cuiabá, que iluminou a fachada da clínica”, destacou a coordenadora.

Para mais informação sobre doação e transplantes de órgãos mantenha contato com: COORDENADORIA DE TRANSPLANTES/SURCA/SES/MT – Rua Thogo da Silva Pereira, 63, Centro – CEP 78020-450 – Cuiabá/MT Fones: (65) 3324-0747 / 3623-9004 (24 horas) 3623 9188 e-mail: [email protected]