Após explosão de lancha, professora tem 45% do corpo queimado em MT

| guiratinga | prefeitura amplia distribuição de água no distrito do alcantilado

A professora Laurieny Geralda de Souza teve 45% do corpo queimado e está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Pronto Socorro para Queimaduras, em Goiânia. Ela é uma das cinco vítimas de um acidente com uma lancha no Rio Araguaia, na região de Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá, no último domingo (30).

A docente, de 31 anos, teve queimaduras de segundo grau em todo o corpo. No braço esquerdo e no peito as queimaduras foram de terceiro grau. Ela ainda está passando por algumas intervenções cirúrgicas, como a raspagem do tecido queimado.

De acordo com Laurita Geralda de Souza, mãe de Laurieny, a filha está acordada, mas ainda recebe anestesias para amenizar algumas dores.

Laurita, que é professora aposentada, contou que a filha foi a última a sair do barco. “Ela me relatou que estavam todos na lancha, prontos para começar o passeio, quando de repente começaram a sentir a fumaça subindo. Nessa hora, todos pularam na água, mas minha filha ficou um pouco atônita e acabou ficando no transporte”, afirmou. Laurieny acabou sendo retirada da embarcação com a ajuda do piloto, que voltou para buscá-la e a atirou na água.

A mãe de Laurieny explicou que foi o vapor lançado pela lancha que queimou a filha, e que além disso, ela inalou muita fumaça. Os pulmões de Laurieny, porém, já estão limpos e livres do ar tóxico.

A aposentada disse que no momento a filha precisa de placas que servem como curativo para queimaduras. Segundo ela, os itens custam aproximadamente R$ 520 e a filha precisa de cerca de 40 dessas placas, que servem também para melhorar a aparência das cicatrizes.

Laurita revelou que tem lutado para comprar os medicamentos. “Eles são caros e o plano de saúde nenhum cobre. As duas que já utilizamos nos foram doadas. Estamos nos virando para tentar conseguir essas placas”, afirmou.

Ela contou ainda que a filha teve um aneurisma cerebral em novembro do ano passado e que os gastos com médicos na época chegaram a R$ 90 mil. “Com o meu salário de aposentada e o da Laurieny, que também recebe por conta desse problema no ano passado, não conseguimos custear tudo isso”, explicou.

O acidente

A lancha pegou fogo e explodiu numa região conhecida como 'Porto do Baé', em Barra do Garças. Entre os tripulantes estava a promotora de Justiça de Aragarças (GO), Ana Carla Dias Lucas Mascarenhas e o marido dela, um médico que atua em Barra do Garças.

Segundo o capitão da Marinha, Alessandro Nonato, a lancha pode ter tido um problema elétrico. A Marinha terá 90 dias para apurar as reais causas do acidente.

O Hospital Cristo Redentor informou que as outras cinco vítimas que estavam internadas no local, inclusive a promotora Ana Carla Mascarenhas, já tiveram alta.

O hospital ainda disse que os pacientes só têm voltado à unidade para realizar a troca dos curativos.

Lancha pegou fogo no Rio Araguaia neste domingo (Foto: Corpo de Bombeiros-MT)