Após 2 assaltos aos Correios no mês, população protesta em cidade de MT

| guiratinga | prefeitura amplia distribuição de água no distrito do alcantilado

Moradores do município de Acorizal, localizado a 59 km de Cuiabá, foram às ruas na tarde desta sexta-feira (24) para protestar contra a insegurança na cidade. Os manifestantes se reuniram em frente aos destacamentos da Polícia Militar e da Polícia Civil na cidade cobrando mais segurança depois que a agência local dos Correios sofreu dois assaltos em menos de um mês.

O protesto foi pacífico e os manifestantes carregaram cartazes pelas ruas da cidade. Segundo os organizadores, cerca de 150 pessoas participaram da passeata. Já a Polícia Militar estimou em 80 pessoas o número de participantes.

“Estamos protestando por causa da violência que está tomando conta da cidade”, disse a assistente social Elis Regina Prates. “A polícia está inoperante e não dá as repostas que a população precisa. Não temos segurança nem para deixar uma criança sozinha”, enfatizou a assistente social.






Na última quinta-feira (23) dois homens invadiram a agência dos Correios de Acorizal, e, além de levar toda a quantia de dinheiro guardada no cofre, dispararam contra um morador. A ação aconteceu durante o dia e os assaltantes conseguiram fugir com o dinheiro. O valor roubado não foi divulgado.

A ideia do protesto, segundo a assistente social Elis Regina, é promover a participação em um abaixo-assinado que pede o aumento do número de policiais na cidade.

“Estamos cansados de pagar salários para policiais e não haver solução. Precisamos de mais policiais”, resumiu a manifestante.

De acordo com o sargento da PM Vanderlei José da Silva, os policiais que trabalham na cidade fazem o que podem.

“Nós trabalhamos com o efetivo que nós temos e fazemos das tripas coração para defender a cidade e a zona rural. A PM apóia a manifestação, desde que tenha ordem”, disse.

Ainda segundo o sargento, os moradores chegaram a desacatar os policiais durante o protesto. “Eles disseram que a polícia é incompetente e que não fazemos nada”, relatou.