Ao Próximo Prefeito


Quanto à provocação para apresentar uma proposta de viabilidade tratando do marketing eleitoral para a vossa campanha, informamos que do ponto de vista atual, com o advento turbulento do coronavírus, faz-se necessário, como nunca, uma pesquisa qualitativa para compor a amplidão num resumo adequado.

A pesquisa deve ser a mais real possível, e contratar uma empresa especializada é o norte, entretanto há outras formas de fazê-la, quando a verba não suporta essa contratação sugerida. O estudo do retorno de postagens publicitadas, com produção de conteúdo apropriado, pode ser uma das salvações para se buscar o perfil, que norteará a campanha.
A cidade procura por um estadista, e as qualidades que se busca dele estarão dentro do texto e gráficos produzidos pelo estatístico que elaborará o expediente final, com todos os dados envolvidos. Vai depender muito da adequação dos pontos negativos em relação ao estudo, para que não interceda no objetivo final, porque os pontos positivos só precisarão ser repercutidos.

Ora, Senhor Próximo Prefeito, se há dúvida que amanhã vai chover, basta vermos a probabilidade de acontecer ou não, e essa informação está hoje à palma da mão, e decidir se levamos um guarda-chuvas ou abortamos a ação prevista no rol de eventos a ser realizados é patente.

E, como diria o mago do marketing eleitoral, Francisco de Lagos: “A chuva é um dom de Deus, mas só vamos adiar o evento no último instante”. Adiamos muitos eventos e o maior dele foi em 2007, em Havana, capital cubana, quando a Orquestra Sinfônica de Campinas, não pode se apresentar na Praça Anti-Imperialista (Praça da Revolução), devido a previsão de chuva no dia anterior, mas só foi comunicado o cancelamento duas horas antes do evento, porque o mar já tomava conta da praça.

O pandemônio que a pandemia causa é assustador. Ainda hoje, não se sabe como tratá-la. E o risco de morte é muito grande, até por ingerência de governos, que ora vossência se propõe a participar desse grupo, entretanto notamos com alegria que têm ações pessoais de enfrentamento ao problema. Haverá vidas que dependerão de uma decisão vossa no futuro, no entanto poderá estar discutindo picuinhas, antes da preciosa decisão a ser tomada, caso não tenha profissionais capacitados ao vosso lado na gestão para as devidas orientações técnicas.

Nossa recomendação é que tome uma decisão coerente, e não se acanhe de consultar um colegiado, nas crises que aparecerem a vossa frente, inclusive essa que apresentamos no momento, da contratação ou não.

Duas importantes demandas vamos citar aqui, para vossa avaliação. Ambas tem a ver com a pandemia, na primeira falamos da famosa barrigada, um termo forjado pelos profissionais do marketing, que significa uma subida, um platô – melhor local para se estar no momento do voto -, e uma descida. Desenham que o candidato deve estar no platô no momento da votação. O seu melhor momento. Na descida ele está se distanciando do seu teto de votos, que é exatamente o contrário da pandemia, quando diminui o pico do vírus. A outra é pensar no futuro próximo, com a doença nos nossos calcanhares, com o povo com medo de pegar os santinhos, porque não sabe quem os manuseou e a solução que vemos nesse momento são os cards de plásticos, que virarão santinhos, praguinhas, colinhas e podem ser desinfectados com álcool em gel.

Terá um custo-benefício muito alto Com certeza teremos novos insumos nas planilhas de prestação de contas ao TSE e muitas indagações nas cabeças dos profissionais de comunicação.

A contrapartida do voto deve ser a melhor prestação de serviços possível, com o objetivo do coletivo, dando-lhe sempre a qualidade de vida como o cartão do crédito concedido, quando recebeu o sufrágio. Essa deve ser a urgência do “novo” da “mudança”, que tanto se busca, que antevemos sair das pesquisas.

O novo, na sua amplitude, mas com predicados como seriedade, competência, experiência comprovada em administração, e, sem vícios políticos, daí está incluso a mudança com serenidade e seriedade.

Queremos “pensar” a vossa campanha, com profissionalização, mas nada que propormos será novidade para vossência, e não é finito, são ponderações que poderão ser usadas, amalgamadas, alteradas e até descartadas, mas todas têm o objetivo da busca pelo sucesso, visto que temos de entender o briefing que deveremos fazer com a Vossa Senhoria para entender e atender adequadamente o que se quer fazer, pois onde chegar já sabemos.

Não temos dificuldades para se adequar àquelas demandas já definidas.
Já tivemos oportunidade de trabalhar com alguns partidos e até nos filiamos nalguns deles, mas afirmamos que o trabalho sempre foi profissional, e quando vencido o tempo, não tivemos dificuldades de somar noutras agremiações, sendo o profissionalismo o maior compromisso naqueles contratos onde atuamos, com a maior fidelidade, enquanto durou a contratação.

Sabemos que haverá um coordenador de campanha e a ele deveremos nos reportar, que também teremos jurídico, contador, jornalista, arte-finalista, locutor e outros profissionais envolvidos, no entanto queremos ter bem definida as ações de cada um, mas com a sinergia que se tem que ter para o bem comum.

Precisaremos montar um escritório para a base das ações, com estrutura mínima de computadores, impressoras, equipamentos e material de escritório, equipe de atendimento e apoio, e profissionais envolvidos para o pronto-atendimento, como assessoria de imprensa, equipe de externa, veículos para locomoção da equipe e das ações do coordenador, entre outras.

Notamos que todo mundo quer fazer tudo, mas o correto é cada um fazer a sua parte, se o fizer com primazia, pode sobrar tempo para ajudar outro companheiro na sua missão inconclusa. Que o conselho político seja atuante e decisivo, para dar segurança ao nosso líder, e, gostaria de tratar as ações somente com a direção indicada, pois sabemos que todo mundo se julga “coordenador de comunicação”, ou “engenheiro de obra pronta”.

Iremos abastecer e orientar com informações coerentes e pesquisadas com profundidade sobre as principais demandas de interesse da campanha, desde ações reais e de interesse político até investidas focadas. A comunicação tem o pressuposto de dourar e açucarar a pílula para o marketing vender, sim usaremos de tal procedimento, mas sempre dentro da legalidade, licitude e moralidade.

É sabido que poderíamos indicar fornecedores, prestadores de serviços, jornalistas e outras demandas e com isso ganhar comissão de contratação ou indicação, entretanto não é esse o nosso mister, também sugerimos que tais contratações sejam feitas por pessoa da vossa estrita confiança, no momento oportuno. Lembrando que, os melhores profissionais geralmente são contratados bem antes, uma vez que a gama da procura, no caso da eleição atual quando o foco é municipal, é muito maior, inclusive concorrendo com outros municípios.

Apresentaremos uma relação das demandas que atuaremos como Coordenador de Comunicação, e notadamente verá que também apresentaremos um rol das ações onde poderemos atuar como consultor, desde os assuntos de postura, visual, abordagem até acompanhar as entrevistas às plataformas de comunicação.

Nessa proposta apresentaremos algumas ações onde atuaremos, como “Planejamento de campanha e estratégia de comunicação; imagem pessoal; apoio para a produção de material de campanha; estudos de pesquisas com leitura profissional: qualitativa e quantitativas; mapeamentos de locais; avaliação do pacote de mídia para o candidato a prefeito com música, jingle, falas, spots, por estúdio profissional; produção de textos publicitários para biografia e impressos; avaliação, crítica e produção dos discursos (postura, microfone, abordagens, falas…); produção para jornais impressos ou eletrônicos; palestras sobre eleições, marketing e motivação pessoal para até 60 candidatos a vereador ou cabos eleitorais; redes sociais e produção de conteúdo; suporte a assessoria de imprensa; avaliação e acompanhamento do kit de som e vídeo (telão, led, carro de som, minitrio, trio…); construção do Plano de Metas e montagem de equipes, entre outras.

Breve Currículo

Hermélio Silva

Formado em Marketing, escritor com 24 livros publicados. Acadêmico titular e fundador da Academia Rondonopolitana de Letras – ARL. Secretário de Comunicação da Câmara Municipal de Rondonópolis (2015 e 2016, 2018 a 07/2020).
Campanhas eleitorais:
1998 – Governador Dante de Oliveira – Mato Grosso (Região Sudeste) – Assessor de Rogério Salles, candidato a Vice-Governador.
Equipe de Francisco de Lagos:
2000 – Prefeito Percival Muniz – Rondonópolis – MT.
2002 – Governador Blairo Maggi – Mato Grosso.
2004 – Prefeito Adilton Sachetti – Rondonópolis – MT.
2004 – Prefeito Mano – Sonora – MS.
2004 – Prefeito Augustinho de Freitas – Pedra Preta – MT.
2004 e 2008 – Prefeito Doutor Hélio de Oliveira Santos – Campinas – SP.
2002 – Deputada Estadual Ana Carla Muniz – Mato Grosso – Equipe de Coordenação.
2012 e 2016 – Vereador Cláudio da Farmácia – Rondonópolis – MT – Equipe de Coordenação.

2016 – Lançamento do livro “Sou candidato a vereador, e agora?”.
2020 – Lançamento do livro “Propaganda eleitoral; o que você precisa saber”, em coautoria com o Doutor Magno Pereira.